Ministério Público da Bolívia expede mandado de prisão contra Evo Morales

Por efe
18 de Diciembre de 2019 7:13 PM Actualizado: 18 de Diciembre de 2019 7:13 PM

La Paz, 18 dez – O Ministério Público da Bolívia expediu nesta quarta-feira um mandado de prisão contra o ex-presidente Evo Morales, a quem o governo interino de Jeanine Áñez acusa de crimes de insurreição e terrorismo.

O ministro interino do Governo, Arturo Murillo, compartilhou no Twitter uma imagem do documento com a ordem para que Evo, refugiado na Argentina, seja detido e levado à Procuradoria Especial Anticorrupção para “prestar depoimento”.

“Sr. @evoespueblo (conta de Evo no Twitter), para seu conhecimento”, escreveu Murillo embaixo da imagem.

Em novembro, o governo boliviano interino apresentou uma queixa contra o ex-presidente junto ao Ministério Público de La Paz por crimes como terrorismo, acusando-o de incitar a violência, a partir de seu asilo no México, contra o governo de Áñez.

A denúncia baseia-se em provas como um vídeo em que é ouvida uma voz atribuída a Evo, cuja autenticidade não foi verificada por fontes independentes.

A voz, supostamente por telefone do México, incita um líder cocaleiro na Bolívia, contra o qual também há um mandado de prisão expedido, a manter cidades bloqueadas para impedir a entrada de alimentos.

Evo Morales está na Argentina desde a semana passada, após deixar o México, onde chegou como requerente de asilo. Ele havia deixado a Bolívia em 11 de novembro, um dia depois de renunciar à presidência, pressionado pelas Forças Armadas e em meio a acusações de ter fraudado a apuração das eleições de 20 de outubro, as quais ganhou em primeiro turno.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.