Músico recupera saúde e esperança mas acaba sendo torturado até a morte por causa de sua fé

Por JOAN DELANEY
05 de Noviembre de 2019
Actualizado: 06 de Noviembre de 2019

Quando Li Jingsheng tinha 5 anos, ele foi diagnosticado com doença cardíaca congênita complicada por uma condição que fazia com que o sangue nas veias e artérias se misturasse. Mesmo um pequeno esforço lhe causava dificuldade para respirar e seus lábios e rosto ficavam negros.

Na infância, ele nunca conseguia brincar com as outras crianças ou realizar atividades físicas normais. Seus médicos disseram que operar era muito perigoso e que pessoas com esse tipo de problema geralmente morrem na adolescência.

Li era um músico inteligente e talentoso, mas não podia ir para a faculdade por causa de sua saúde debilitada. No entanto, ele aprendeu a tocar violão com seus próprios esforços e passou a ensinar o instrumento em três universidades diferentes em Pequim. Ele também publicou dois manuais de instruções sobre como tocar violão.

Em fevereiro de 1997, quando ele tinha 32 anos, Li casou-se com Wan Yu. Em novembro do mesmo ano, depois de se mudar para Shenzhen, uma cidade importante no sul da China, sua saúde se deteriorou a ponto de tossir abundantemente e precisar ser hospitalizado várias vezes. Os médicos especialistas disseram que o funcionamento do coração e dos pulmões era muito fraco e que não havia outra solução a não ser ficar em casa e descansar.

Isso significava que tudo que ele podia fazer era esperar para morrer.

(Esquerda) Li Jingsheng em uma foto sem data. (Direito) Manuais de instruções para guitarra escritos por Li Jingsheng (Minghui.org)
(Esquerda) Li Jingsheng em uma foto sem data. (Direito) Manuais de instruções para violão escritos por Li Jingsheng (Minghui.org)

Uma nova vida

Foi nessa época que Li conheceu o Falun Dafa, uma prática espiritual antiga também chamada Falun Gong que foi tornada pública em 1992 e se espalhou rapidamente por toda a China e, posteriormente, por todo o mundo.

Li começou com a prática, realizando os exercícios de meditação e aprendendo os ensinamentos com base nos princípios da Verdade, Compaixão e Tolerância, e em pouco tempo sua saúde começou a melhorar. Ele tinha mais energia e não precisava mais tomar remédios para controlar os batimentos cardíacos. Mais tarde, sua esposa Wan também começou a praticar.

Com sua nova vida, Li conseguiu um emprego cantando e tocando violão no restaurante de um hotel de 4 estrelas. Wan cantou com ele. Ao praticar o Falun Dafa, ele se tornou mais forte e saudável.

“É muito cansativo tocar violão e cantar continuamente. É incrível que uma pessoa que havia sido condenada à morte por médicos possa fazer isso. Essa é a manifestação do poder do Falun Dafa”, escreveu Wan em um artigo publicado no Minghui.org sobre sua vida com Li.

“Além disso, Jingsheng deixou de ser uma pessoa egoísta para se tornar uma pessoa altruísta, que sempre considerava os outros primeiro. Por causa de seus problemas de saúde, ele tinha um temperamento ruim, mas depois de aprender o Falun Dafa, ele conseguiu controlar seu temperamento e sempre olhava para dentro quando enfrentava conflitos.”

Wan disse que eles se apresentaram no hotel por um ano, e ela tem lembranças agradáveis ​​daqueles dias.

“Esse ano foi o mais feliz da minha vida. Fomos a um parque perto das 5h30 todas as manhãs para fazer os exercícios, depois para o estudo em grupo dos ensinamentos do Fa e depois para o hotel para cantar à noite.(…) Ficamos felizes e nossas vidas passaram a fazer muito sentido”, escreveu ela.

Mas os tempos sombrios espreitavam no horizonte.

Li Jingsheng e sua esposa Wan Yu quando se apresentaram juntos no final dos anos 90 (Minghui.org)
Li Jingsheng e sua esposa Wan Yu quando se apresentaram juntos no final dos anos 90 (Minghui.org)

Prisão e tortura

Em julho de 1999, o regime chinês lançou uma campanha brutal de perseguição contra o Falun Dafa. Praticantes em todo o país foram presos aos milhares e enviados para centros de detenção, prisões, campos de trabalho e centros de lavagem cerebral, onde foram maltratados e torturados na tentativa de forçá-los a parar de praticar. O objetivo do regime era erradicar o Falun Dafa, e a campanha que começou para esse fim continua até hoje.

Depois de ir à Praça da Paz Celestial em Pequim para apelar pelo seu direito à prática em junho de 2001, Li se tornou vítima de perseguição. Ele foi violentamente chutado nas costelas por um policial, preso e enviado para um campo de trabalho forçado de Tuanhe por 18 meses.

No campo de trabalho, ele foi privado de sono e comida. Ele foi espancado por vários policiais que causaram ferimentos permanentes em seu braço. Ele ficou amarrado a uma grande tábua de madeira por longos períodos, e era incapaz de se mover.

Em sessões intensivas de lavagem cerebral, ele foi forçado a sentar em um banco por mais de 10 horas – uma tática comum usada contra os prisioneiros de consciência do Falun Dafa para tentar “reabilitá-los”, forçando-os a escrever as chamadas “três declarações” para desistir de suas crenças.

Em várias ocasiões, Li entrou em greve de fome para protestar contra os abusos. Isso fez com que as autoridades prorrogassem sua sentença por 10 meses. Os praticantes do Falun Dafa que entram em greve de fome são alimentados à força, que é outra forma de tortura. Alguns morreram como resultado da alimentação forçada, segundo o Minghui.

A tortura constante danificou a visão e a audição de Li e ele também sofreu danos cerebrais. Como resultado, suas reações se tornaram muito lentas.

Enquanto isso, Wan não foi autorizada a visitá-lo no campo de trabalho até o início de 2003.

“Eles me disseram que eu poderia visitá-lo porque ele já havia sido ‘reabilitado'”, disse ela.

“Quando o vi,  ele estava muito fraco. Até andar era difícil para ele, porque ele tinha acabado de fazer uma greve de fome. Dizem que ele realizou mais de 50 greves de fome, a maior quantidade realizada no campo de trabalho de Tuanhe. Como estávamos sendo vigiados, não podíamos expressar nossos verdadeiros pensamentos, mas pude ver que ele estava sentindo muita dor.”

Representação da alimentação forçada de um praticante do Falun Dafa preso (Minghui.org)
Representação da alimentação forçada de um praticante do Falun Dafa preso (Minghui.org)

Dor física e angústia mental

Quando Li foi finalmente libertado em outubro de 2003, seu corpo estava inchado e ele não estava apenas extremamente fraco, mas também deprimido.

“Quando ele chegou em casa, ele estava tão fraco que precisou ficar deitado na cama o tempo todo”, disse Wan.

“Ele também estava muito deprimido porque cedeu à pressão de abandonar suas crenças. Sob tortura no campo de trabalho, ele escreveu as três declarações. Fiquei impressionada com o arrependimento e a culpa. Ele sabia que o Falun Dafa havia lhe dado a vida, mas se entregou ao mal sob tortura e fez coisas que traíam sua consciência. Ele estava sofrendo fortes dores físicas e angústia mental.”

Quando ele se sentiu um pouco mais forte, Li escreveu uma “declaração solene” e a publicou em Minghui para invalidar as declarações de demissão que ele foi forçado a escrever no campo de trabalho. Muitos praticantes do Falun Dafa que foram forçados a renunciar à prática contra sua vontade enquanto encarcerados escreveram tais declarações após serem libertados.

No entanto, o inchaço no corpo de Li continuou a piorar e, apesar de Wan procurar ajuda médica, ele continuou a enfraquecer.

“Depois de sofrer uma longa prisão, tortura brutal, confinamento prolongado em uma pequena cela e a interrupção de todo contato com outras pessoas, tanto seu corpo quanto sua mente ficaram gravemente feridos. Após sua libertação, a enorme pressão mental e a dor causadas pelo terror do Partido Comunista Chinês o tornaram incapaz de se recuperar completamente”, afirmou.

Li morreu enquanto dormia em 13 de dezembro de 2004.

***

A verdadeira vocação do CEO da Telecom

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS