“Não tenho nenhuma afinidade”, disse Añez depois de não ter sido convidada para posse de Fernández

Ela disse que pretende manter relações comerciais com a Argentina quando Fernandez assumir este mês, apesar do fato de o presidente eleito permanecer ligado a Evo Morales e não a reconhecer no cargo
09 de Diciembre de 2019 Actualizado: 09 de Diciembre de 2019

Por Eduardo Tzompa, Epoch Times

A presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, disse em entrevista que não se preocupa em não ser convidada para a posse presidencial argentina de Alberto Fernández, já que não sente afinidade por pessoas que não respeitam a democracia.

“Eles têm uma afinidade ideológica que eu não compartilho. Cristina Kirchner é da mesma ideologia de Evo Morales e eles nos mostraram de maneira excessiva que desprezam a democracia, por isso não tenho afinidade com pessoas que não respeitam a democracia, ou que restringe as liberdades”, disse à Página 7 a presidente em exercício.

“Eu nem me sentiria confortável, realmente não tenho afeto nem desafeto, para mim é indiferente”, acrescentou.

Leia também:
Deputados bolivianos aprovam projeto de lei que protege líderes como Morales

Áñez assumiu como presidente interina da Bolívia até novas eleições presidenciais, após a renúncia de Evo Morales em 10 de novembro. Dias atrás, em uma entrevista à Infobae, ela disse que pretende manter relações comerciais com a Argentina quando Fernandez assumir este mês, apesar do fato de o presidente eleito da Argentina permanecer ligado a Evo Morales e não a reconhecer no cargo.

“Eles são nossos clientes na compra de gás, como é o Brasil. Os negócios devem ficar fora da ideologia política. Nós dois precisamos um do outro. Tudo o que vai ser avançado, que seja feito no campo do respeito mútuo e do que é conveniente para a Bolívia e a Argentina, sem ter que ver nossas ideologias políticas”.

Quando entrevistada por Página 7, ela reafirmou sua posição e disse que planeja manter relações diplomáticas com todos os países e, especialmente, retomar as relações com os Estados Unidos. Ao mesmo tempo, reiterou sua afinidade com a democracia e apontou que nunca vai ficar do lado da ditadura de Maduro.

“Reconheço Juan Guaidó porque acredito que ele é uma pessoa que respeita as liberdades democráticas e os direitos dos cidadãos, e com isso eu me identifico”, afirmou.

Por outro lado, Áñez mantém sua posição de permanecer no poder por um tempo limitado. A presidente Interina negou à Página 7 que pretenda concorrer às próximas eleições presidenciais, afirmando que seu objetivo principal é “sair de uma opressão de muitos anos, pacificar e unir todos os bolivianos”, que estão cansados de serem incentivados a odiar.

Nesse sentido, Áñez criticou alguns comportamentos de seu antecessor e pediu respeito ao governo. “Se tivemos que suportar o fato de que eles podem tirar a Bíblia do Palácio, que somos governados por ateus e que tivemos que suportar e respeitar porque eles não acreditam em Deus, acredito que as pessoas devem respeitar o fato de que eu sem Deus não vivo e essa é a minha fé e por tudo que eu recorro a ele. Eu acho que seria cruel, quero que você respeite isso, quero que respeite essa parte, sou cristão e essa é a minha força.”

Por outro lado, indicou sua insatisfação pelo asilo político que o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, ofereceu a Evo Morales.

“O que López Obrador fez com a Bolívia não foi exatamente no âmbito do respeito aos tratados internacionais, primeiro, porque ele lhe deu a liberdade de fazer política no México e incitar a violência, é algo que nós, como governo transitório, reclamamos e já fizemos uma representação”, disse Áñez à página 7.

Na sua opinião, o povo mexicano se sentiu indignado com a decisão de seu presidente.

“Ele incitou todos esses atos de vandalismo ou disse ao seu povo para não deixar entrar comida no país, que eles não podem avançar na pacificação, isso foi muito ruim, mas isso tem que ser valorizado pelo governo que ficará por cinco anos”.

TE RECOMENDAMOS