Operação da PF investiga propina da J&F para Renan e mais 9 senadores

Assessoria do senador alagoano Renan Calheiros negou que o ex-presidente do Senado tenha sido alvo de operação
05 de Noviembre de 2019
Actualizado: 05 de Noviembre de 2019

Por Diário do Poder

A Polícia Federal (PF) cumpre desde as primeiras horas da manhã desta terça-feira (5) mandados judiciais de busca e apreensão e medidas de sequestro de bens em vários estados, na Operação Saldo Negativo. A ação que ocorre em vários estados tem como alvos os senadores Renan Calheiros (MDB-AL) e Eduardo Braga (MDB-AM), e investiga um esquema de propina envolvendo um total de dez senadores e mais de R$ 40 milhões da J&F.

A operação foi determinada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, relator de inquéritos da Operação Lava Jato. E se refere ao Inquérito 4707, aberto em maio do ano passado no Supremo para investigar supostos repasses milionário da J&F a políticos do MDB durante a campanha eleitoral de 2014.

A ação da PF mira supostos operadores do repasse. E envolve uma empresa de consultorias tributárias que apresentava comprovantes de crédito e débito para pagar dívidas tributárias.

Leia também:
MPF acusa presidente afastado da Ancine de crimes, e pede meio milhão por dano moral

Ambos os senadores foram intimados a depor hoje, pelo delegado da PF Bernardo Guidali Amaral, sobre o teor das investigações. E o senador Eduardo Braga está neste momento na liderança do MDB, aguardando a PF para depor.

O Inquérito 4707 também tem como investigados os senadores Dário Berger (MDB-SC) e Jader Barbalho (MDB-PA); o ex-presidente do Senado Eunício Lopes (MDB-CE); o ex-senador e ministro do Tribunal de Contas da União, Vital do Rêgo Filho; o ex-ministro dos governos petistas Guido Mantega; e o governador do Pará, Hélder Barbalho (MDB).

A investigação tem como ponto de partida as delações da J&F e de Sérgio Machado, da Transpetro. Mas também cita relatos do ex-ministro Antônio Palocci, que apontou Renan Calheiros como interlocutor dos senadores do MDB beneficiados por uma conta aberta para o PT, junto a Joesley Batista, da J&F.

Nos depoimentos, Sérgio Machado disse ter chegado ao conhecimento dele que a JBS, empresa do grupo J&F, faria doações à bancada do MDB do Senado em 2014 no valor de R$ 40 milhões, a pedido do PT.

Machado afirmou que a doação beneficiaria os então senadores do PMDB: Renan Calheiros (AL), Jader Barbalho (PA), Romero Jucá (RR), Eunício Oliveira (CE), Vital do Rêgo (PB), Eduardo Braga (AM), Edison Lobão (MA), Valdir Raupp (RO) e Roberto Requião (PR), “dentre outros”. A PGR retirou da investigação Jucá, Lobão e Requião; e acrescentou Guido Mantega e Hélder Barbalho.

Ricardo Saud relatou à PGR que houve pagamento de aproximadamente R$ 46 milhões a senadores do MDB, a pedido do PT. Ressaltando que, apesar de diversas doações terem sido realizadas de forma oficial, “tratava-se de vantagem indevida, uma vez que dirigentes do PT estariam comprando o apoio de peemedebistas para as eleições de 2014 como forma de assegurar a aliança entre os partidos”.

Por meio de nota, a assessoria do senador alagoano negou que o ex-presidente do Senado tenha sido alvo de operação: “Senador Renan não foi alvo de operação. Não há busca e apreensão, como também não há qualquer determinação a ser cumprida nas dependências do Congresso. Entregaram uma simples intimação para prestar esclarecimentos. Nada mais que isso”.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS