Pequim é enganada por sua própria propaganda e por Carrie Lam sobre eleições em Hong Kong, revela infiltrado

Na China continental, a mídia estatal fabricou fake news, retratando a polícia de Hong Kong como heróis patrióticos e denegrindo os manifestantes chamando-os de "agitadores"
07 de Diciembre de 2019 1:55 PM Actualizado: 07 de Diciembre de 2019 1:57 PM

Por Olivia Li, Epoch Times

Uma fonte próxima a importantes autoridades chinesas revelou que o líder do Partido Comunista, Xi Jinping, ficou surpreso com a vitória esmagadora do campo pró-democrático em Hong Kong durante as eleições distritais da cidade. A diretora executiva de Hong Kong, Carrie Lam, esperava que o partido pró-Pequim “definitivamente vencesse”, permitindo assim que as eleições fossem realizadas conforme o programado.

O infiltrado, que optou por permanecer anônimo devido à delicadeza do assunto, falou com a edição chinesa do Epoch Times em 3 de dezembro. Ele revelou que membros do Gabinete de Ligação de Hong Kong, do Gabinete de Hong Kong e dos Assuntos de Hong Kong e Macau (os dois principais órgãos de Pequim que administram os assuntos de Hong Kong) e Carrie Lam julgaram mal a situação e informaram as autoridades centrais que as eleições locais deveriam ocorrer.

“Em particular, Lam foi a mais determinada de todos. Ela disse que os manifestantes teriam que aceitar sua derrota após as eleições e depois não teriam nada a dizer”, disse a fonte. “Só que o resultado foi exatamente o oposto do que Pequim esperava; até hoje, as autoridades chinesas não contam com nenhum plano adequado para responder aos resultados das eleições. A comoção é tão forte que, neste momento, dentro da mais alta liderança, considera-se que foi um desastre total.”

Leia também:
Regime chinês impõe restrições a diplomatas dos Estados Unidos na China

As eleições do Conselho Distrital de Hong Kong em 24 de novembro, primeiro turno das eleições locais após o início dos protestos em junho, serviram como um indicador de que os protestos são a favor da democracia.

Entre um total de 452 assentos em 18 distritos, os candidatos democráticos conquistaram 388 assentos no conselho distrital, enquanto o lado pró Pequim conquistou 59 assentos.

Com os residentes de Hong Kong atingindo números recordes para votar, a grande vitória da ala democrática diz a Pequim que a maioria dos moradores de Hong Kong apoia os manifestantes a favor da democracia e condena a manipulação dos protestos pelas autoridades.

A fonte revelou que Lam deu duas razões para explicar por que ela insistiu em que as eleições fossem realizadas conforme o programado.

“Primeiro, cancelar ou atrasar as eleições geraria críticas internacionais, além de muitos outros resultados negativos. Segundo, Lam achou que a maioria dos cidadãos de Hong Kong queria retornar a uma vida normal e já estava se cansando dos protestos. Então ela deduziu que a maioria das pessoas de Hong Kong votaria nos candidatos a favor de Pequim.”

Com exceção de alguns jornais independentes em Hong Kong, como Apple Daily, The Epoch Times e Stand News, um grande número de publicações de Hong Kong tem defendido repetidamente opiniões em favor de Pequim: eles tentam convencer seus leitores de que os manifestantes são a principal causa da violência e a maioria dos habitantes de Hong Kong está contra eles.

Na China continental, a mídia estatal até fabricou fake news, retratando a polícia de Hong Kong como heróis patrióticos e denegrindo os manifestantes chamando-os de “agitadores”.

Segundo a fonte, no dia das eleições, o Gabinete de Ligação de Hong Kong enviou pessoas a todos os locais de votação pela manhã. Quando souberam que muitos cidadãos mais velhos estavam nas urnas, informaram a Pequim que a ala pró Pequim definitivamente venceria, porque acreditavam que a maioria dos idosos desaprova os protestos.

“Jornais ocidentais publicaram que pelo menos sete jornais estatais chineses, incluindo o Global Times, haviam preparado uma matéria especial para comemorar a vitória do candidato [pró-Pequim] Junius Ho Kwan-yiu antes dos resultados finais. Na verdade, isso aconteceu, e foi porque Pequim havia acreditado que a maioria das pessoas mais velhas era sua apoiadora”, disse ele.

Quando a ala democrática reivindicou a vitória, as autoridades chinesas decidiram não falar sobre o assunto. “Eles ficaram completamente perdidos”, disse a fonte.

As autoridades chinesas não ficaram satisfeitas com a forma como o Gabinete de Ligação de Hong Kong lidou com os protestos. A agência Reuters havia informado anteriormente que Pequim planeja substituir o chefe do Gabinete de Ligação, Wang Zhimin. A fonte disse ao Epoch Times que Wang pode estar sujeito a punição disciplinar, e Pequim agora está procurando um nome para substituí-lo.

“Provavelmente, em vez de promover uma autoridade chinesa que já esteja no sistema de Hong Kong, Pequim preferirá escolher uma nova pessoa fora de Hong Kong”, disse ele.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.