Pompeo adia viagem à Ucrânia após invasão da embaixada dos EUA no Iraque

Por efe
02 de Enero de 2020
Actualizado: 02 de Enero de 2020

Washington, 2 jan – O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, decidiu adiar uma viagem que faria à Ucrânia para seguir de perto a situação no Iraque após a invasão da embaixada americana em Bagdá.

“O secretário Pompeo deve adiar sua visita à Ucrânia, Bielorrússia, Cazaquistão, Uzbequistão e Chipre devido à necessidade de permanecer em Washington para acompanhar a situação em andamento no Iraque e garantir a proteção e a segurança dos americanos no Oriente Médio”, disse o Departamento de Estado em nota.

A visita de Pompeo à Ucrânia é motivo de polêmica nos EUA, já que coincide com o processo de impeachment contra o presidente Donald Trump pelas pressões feitas ao governo de Kiev.

“A viagem do secretário Pompeo será reprogramada para uma data no futuro próximo”, completou o órgão em nota.

A embaixada dos EUA em Bagdá suspendeu as atividades consulares depois da invasão de seguidores da milícia Multidão Popular, integrada principalmente por xiitas.

No último dia 27, um ataque com mais de 30 foguetes contra uma base militar em Kirkuk, no norte do Iraque, provocou a morte de um empreiteiro americano e deixou vários soldados dos EUA feridos.

O Pentágono considera que a milícia xiita Kata’ib Hezbollah, apoiada pelo Irã, é responsável por uma onda de ataques que começou em outubro. Os alvos são bases militares e instalações do governo do Iraque onde trabalham funcionários dos EUA.

Como resposta à morte do empreiteiro, o Pentágono informou no domingo que realizou “ataques defensivos” na Síria e no Iraque contra instalações da Kata’ib Hezbollah. Segundo a Multidão Popular, 25 pessoas morreram.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS