Por que Steve Jobs achou que o iPad era perigoso demais para seus filhos?

Crianças com predisposição à violência ou isolamento social podem ser afetadas negativamente pelas novas tecnologias
Por LOUISE BEVAN
07 de Noviembre de 2019
Actualizado: 08 de Noviembre de 2019

“Limitamos a quantidade de tecnologia que nossos filhos usam em casa”, disse Steve Jobs, magnata da tecnologia, a um jornalista do New York Times em 2010. Isto foi dito na época do lançamento do iPad da Apple e a declaração chocou o jornalista.

Os especialistas há muito debatem a questão de saber se o acesso das crianças à tecnologia deve ser regulamentado ou não. Steve morreu em 2011, mas seu legado como empresário, homem de negócios e pai ainda está vivo. No ambiente social e tecnológico de hoje, o que significa exatamente ser um “pai de baixa tecnologia?”.

Steve Jobs segurando o novo iPad, um dispositivo de navegação móvel

na forma de um tablet que se tornou um híbrido entre o iPhone e

um MacBook portátil (Justin Sullivan/Getty Images)

No lançamento do iPad da Apple em 2010, Steve o descreveu como um “dispositivo maravilhoso” que aproximava pessoas e que possuia ferramentas educacionais.

Leia também:

O repórter do New York Times, Nick Bilton, logo depois, descreveu uma interação com o empresário. “O primeiro tablet da empresa estava chegando às prateleiras”, escreveu Nick. Ele perguntou a Steve: “Então, seus filhos devem amar o iPad?”

“Eles não chegaram a usá-lo”, respondeu Steve. Então, Nick ficou sem palavras.

Steve Jobs comemora o lançamento de uma nova família de produtos Apple iPod no

California Theatre em San Jose em 26 de outubro de 2004

(Tim Mosenfelder/Getty Images)

“Eu imaginava que a casa de Steve era como o paraíso dos nerds”, explicou Nick, “que as paredes eram gigantescas telas de toque, que a mesa de jantar era feita de telhas de iPads e que os iPods eram distribuídos aos convidados como se fossem chocolates em um travesseiro. ”

“Não, o Sr. Jobs me disse, nem de perto”, escreveu ele.

Dois anos depois, Steve reiterou sua posição afirmando: “Na verdade, não permitimos o iPad em casa. Acreditamos que é perigoso demais para as crianças”, como cita o Business Insider.

Desde então, um grande número de empreendedores de tecnologia revelou suas próprias aversões pessoais à tecnologia doméstica, especialmente quando seus filhos estão envolvidos.

O editor-chefe da Wired, Chris Anderson, fala durante a conferência de negócios da Wired

na Morgan Library and Museum em Nova Iorque em 14 de junho de 2010

(Larry Busacca / Getty Images)

Lidere pelo exemplo

Chris Anderson, ex-editor da revista WIRED e atual diretor executivo da 3D Robotics, é pai de cinco filhos. Ele também instalou limites de tempo e controles dos pais em todos os dispositivos da casa de sua família.

“Meus filhos acusam a mim e a minha esposa de sermos fascistaa e muito preocupados com a tecnologia, e eles dizem que nenhum de seus amigos tem as mesmas regras”, disse Chris ao The New York Times. “Isso é porque vimos os perigos da tecnologia em primeira mão”.

“Eu já vi isso em mim”, continuou ele. “Eu não quero ver isso acontecer com meus filhos.”

A regra número um na casa de Anderson, explicou o CEO, é muito simples: “Não há telas no quarto. Ponto. Nunca – disse ele.”

O co-fundador da Medium e do Twitter Evan Williams fala na Conferência de Negócios WIRED: Pense Grande no Museu da Herança Judaica em Nova Iorque em 7 de maio de 2013 (Brad Barket / Getty Images)
O co-fundador da Medium e do Twitter Evan Williams fala na Conferência de Negócios WIRED: Pense Grande no Museu da Herança Judaica em Nova Iorque em 7 de maio de 2013 (Brad Barket / Getty Images)

Evan Williams, um dos fundadores do Twitter e Medium, e sua esposa, Sara, são igualmente cautelosos com a tecnologia. Eles têm “centenas de livros” para os filhos, em vez de iPads.

Dick Costolo, CEO do Twitter, ofereceu uma perspectiva diferente. Ele e sua esposa aprovam o “uso ilimitado de dispositivos” com uma condição: que seus filhos usem o espaço comum e não seus quartos. Muitos limites, acreditam os Costolo, poderiam provocar uma rebelião.

“Quando eu estava na Universidade de Michigan, havia um cara que morava no quarto ao lado e que tinha caixas e caixas de Coca-Cola e outros refrigerantes no quarto”, disse Dick. “Mais tarde eu descobri que era porque seus pais nunca o deixaram beber refrigerante quando ele estava crescendo”.

Os reais perigos da tecnologia

niño-iphone

Imagem ilustrativa (Hal Gatewood/Unsplash)

Segundo o Child Mind Institute, gerenciar o uso da mídia em casa é um dos maiores desafios da educação dos filhos no século XXI.

A gratificação por demanda de programas de televisão e videogames pode ter um apelo particular para crianças diagnosticadas com ADHD. Infelizmente, o tempo gasto com televisão ou com videogames não reproduz o mesmo tipo de abordagem que outras tarefas exigem.

O Dr. John Constantino, da Universidade de Washington, argumenta que crianças com predisposição à violência ou isolamento social podem ser afetadas negativamente pelas novas tecnologias, à medida que seu acesso à informação e comunicação se torna ilimitado.

Imagem ilustrativa (Patricia Prudente / Unsplash)
Imagem ilustrativa (Patricia Prudente / Unsplash)

A mídia social tem sido criticada por manter padrões irreais de beleza e sucesso, o que pode ser particularmente perigoso para mentes jovens e impressionáveis. Sem mencionar que a tecnologia como um todo tem a capacidade de se tornar extremamente viciante.

Embora os argumentos para impor (algumas) restrições à tecnologia possam ser convincentes, muitos pais de baixa tecnologia advogam fazer concessões às crianças à medida que crescem e precisam de um computador para a escola.

O biógrafo de Steve, Walter Isaacson, passou muito tempo na casa de Steve e parecia capaz de lançar luz sobre a lógica dos limites tecnológicos do empresário.

“Todas as noites, Steve costumava jantar na mesa grande e comprida de sua cozinha, discutir livros, história e uma variedade de coisas”, disse Walter ao The New York Times.

“Ninguém nunca comprou um iPad ou computador”, continuou ele, acrescentando: “As crianças não pareciam viciadas em aparelhos”.

Você gostou deste artigo?

Então, pedimos um pequeno favor. Compartilhe-o em suas redes sociais, apoie jornalismo independente e ajude seus amigos a descobrir as notícias, informações e histórias mais interessantes. Vai demorar menos de um minuto. Muito obrigado!

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS