Premiê da Austrália e Greta Thunberg trocam críticas por incêndios no país

Por efe
23 de Diciembre de 2019
Actualizado: 23 de Diciembre de 2019

Sydney, 23 dez – O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, e a ativista Greta Thunberg trocaram críticas sobre a suposta relação entre os grandes incêndios florestais no país e a crise causada pelo aquecimento global.

A disputa começou ontem, quando Greta postou imagens dos incêndios no Twitter, acompanhadas pelo comentário: “Mesmo desastres como este não parecem despertar ação política, como isso é possível?

A resposta de Morrison veio nesta segunda-feira, também na rede social.

“Não me cabe fazer comentários sobre o que pessoas de fora da Austrália acham que a Austrália deve fazer. Na Austrália, faremos o que acreditamos que é apropriado para a Austrália, e esse tem sido sempre o princípio pelo qual me guio. Não estou aqui para tentar impressionar as pessoas de fora”, disse o político.

No domingo, o premiê se desculpou publicamente por ter viajado de férias para o Havaí com a família durante os incêndios florestais, agravados por uma onda de calor que elevou a temperatura média máxima para um novo recorde de 41,9 graus Celsius.

Apoiador da forte indústria do carvão australiana, Morrison enfrentou uma série de manifestações em protesto contra a falta de liderança durante os incêndios de medidas para reduzir as emissões de gases poluentes e para fazer a transição para o uso de energia limpa.

Cerca de 200 casas foram destruídas durante o fim de semana na Austrália pela onda de incêndios, que afetou grande parte do sudeste do país, onde mais de 100 focos permanecem ativos.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS