Procurador-geral dos Estados Unidos admite falhas na prisão em que Epstein morreu

Por Noticia de agencia
12 de Agosto de 2019
Actualizado: 12 de Agosto de 2019

O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, afirmou nesta segunda-feira ter identificado graves irregularidades na prisão federal de Nova York, onde o milionário Jeffrey Epstein foi encontrado morto há dois dias.

“São profundamente preocupantes, e já pedimos uma investigação completa”, disse Barr, que participou de ato da polícia de Nova Orleans.

Ainda de acordo com o procurador-geral, as autoridades americanas irão buscar a fundo como aconteceu a morte de Epstein e prestarão contas à sociedade. Segundo ele, o FBI e o Gabinete do Inspetor Geral do Departamento de Estado estão nas investigações.

Barr lembrou que elucidar a morte do milionário é importante não apenas para as vítimas, mas também para todo o sistema de justiça americano, que estava preparando o julgamento, em que Epstein era acusado de manter uma rede de exploração sexual de menores.

“Fiquei horrorizado, e todo o Departamento de Justiça também ficou. Estou, honestamente, irritado ao saber do fracasso do MCC (sigla em inglês do Centro Correcional Metropolitano) em garantir a segurança adequada do prisioneiro”, disse o Procurador-Geral.

“Deixe-me assegurar a vocês que esse caso seguirá, contra qualquer cúmplice de Epstein”, garantiu Barr.

Segundo publicou hoje a imprensa americana, os advogados do milionário pediram no fim do mês a saída do cliente do programa para a prevenção ao suicídio de que fazia parte. Epstein havia passado de um programa de prevenção ao suicídio, para um “status de observação especial”, com revisões a cada 30 minutos, ao invés de 15, além de incluir a presença de um companheiro de cela.

A morte do milionário fez com que fossem disparadas inúmeras teorias, algumas ligando o nome a inúmeras personalidades dos Estados Unidos, inclusive o antigo mandatário Bill Clinton.

Segundo à justiça americana, o milionário criou uma rede para abusar de meninas menores de idade. Em 2008, o estado da Flórida chegou a apresentar acusações contra ele, que chegou a um acordo com o Ministério Público.

O promotor do caso, Alexander Acosta, que posteriormente foi secretário de Trabalho do governo Trump, teve que renunciar ao cargo, devido o escândalo provocado por um pacto secreto, que foi ocultado às vítimas.

Na véspera da morte de Epstein, centenas de documentos sobre o milionário foram tornados públicos pela Justiça. Os arquivos eram relativos a um outro caso, paralelo à investigação central, sobre uma mulher que havia sido contratado para “recrutar” potenciais vítimas do esquema de exploração sexual mantido por ele.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS