Proibida de entrar em estádio, iraniana morre após atear fogo em si mesma

Por Renato Pernambucano
10 de Septiembre de 2019
Actualizado: 10 de Septiembre de 2019

Teerã, 10 set (EFE)- A iraniana Sahar Jodayari, que ateou fogo no próprio corpo após tomar conhecimento de que poderia ser condenada à prisão por tentar entrar em um estádio de futebol, algo proibido para as mulheres no Irã, não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo, causando grande comoção nesta terça-feira e uma onda de críticas nas redes sociais.

Vários internautas solicitaram a Fifa que pressione o governo iraniano, ameaçando com sanções como a eliminação do Irã de competições internacionais, para que permita o comparecimento das mulheres ao estádios.

Jodayari, de 29 anos, e conhecida como a “garota azul” pelas cores de sua equipe Esteghlal, morreu ontem, em um hospital de Teerã, segundo confirmação da agência semioficial iraniana “Shafaghna”.

O Esteghlal expressou seu profundo pesar pelo falecimento e ofereceu suas condolências à família da jovem, que foi presa pela polícia quando tentou se disfarçar de homem, no mês de março, no Estádio Azadi, em Teerã, para ver o confronto entre seu time de coração e o Al Ain, dos Emirados Árabes Unidos.

Ela passou dois dias na prisão de Gharchak e foi libertada para aguarda o julgamento, mas, quando no início do mês que poderia pegar uma pena de seis meses de prisão, a jovem decidiu atear fogo nela mesma fogo, ficando com queimaduras em 90% do corpo.

A Anistia Internacional (AI) denunciou hoje que Sahar Jodayari “ainda estaria viva se não fosse por esta proibição draconiana e pelo subsequente trauma de sua prisão e acusação”.

“Sua morte não deve ser em vão. Ela deve estimular a mudança no Irã para evitar mais tragédias no futuro”, disse em comunicado, Philip Luther, responsável da AI para o Oriente Médio.

Luther pediu à Fifa que adote “medidas urgentes para acabar com a proibição e garantir que as mulheres tenham acesso a todos os estádios esportivos sem discriminação”.

Devido às pressões da Fifa, as autoridades iranianas anunciaram que as mulheres poderão comparecer ao Azadi no próximo dia 10 de outubro, para a partida entre Irã e Cambodja, pelas Eliminatórias asiáticas para a Copa do Mundo de 2022.

As mulheres não podem entrar nos estádios do Irã para ver os homens jogarem desde o triunfo da Revolução Islâmica de 1979, que estabeleceu a política de segregação sexual e inúmeras restrições para elas.

Por alguns anos, uma presença reduzida de mulheres foi permitida em alguns partidos no Irã, mas sempre muito figurativa e a convite, em meio ao cabo de guerra entre os setores reformistas e conservadores da República Islâmica.

É comum, no entanto, que as mulheres tentem entrar furtivamente nos estádios vestidos como homens com bonés, perucas e até barbas falsas, apesar do risco de serem descobertas e detidas pela polícia. EFE

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS