Próximo filme “Claws of the Red Dragon” busca expor papel da Huawei diante das ambições tecnológicas de Pequim

Por EVA FU E JANITA KAN
26 de Agosto de 2019 Actualizado: 26 de Agosto de 2019

Um próximo filme a ser lançado no outono busca esclarecer a conexão entre a gigante das telecomunicações Huawei – a segunda maior fabricante de smartphones do mundo em volume – e o Partido Comunista Chinês.

O filme “Claws of the Red Dragon” é inspirado na prisão da diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, no Aeroporto Internacional de Vancouver, no ano passado, a pedido do governo dos Estados Unidos, e na seguinte deterioração do relacionamento Canadá-China. No que parece ser uma retaliação, o regime chinês deteve dois canadenses e acusou-os de espionagem, enquanto condenou outros dois canadenses à morte por crimes relacionados às drogas.

Meng, que é filha do fundador da Huawei, Ren Zhengfei, foi acusada de conspiração, fraude e obstrução. Ren, que detém oficialmente 1,4% das ações da Huawei, tem experiência no Exército de Libertação Popular da China (ELP). O governo dos Estados Unidos está atualmente buscando sua extradição.

Um dos produtores executivos do filme, o ex-estrategista-chefe da Casa Branca Stephen Bannon, disse que “Claws of the Red Dragon” tenta expor “o funcionamento interno do [Partido Comunista Chinês] e da Huawei”.

“Este é um filme muito poderoso”, disse Bannon em entrevista ao programa American Thought Leaders, do Epoch Times. “Eu acho que isso abre e explica de forma dramática exatamente o que está acontecendo com a invasão da China na área de tecnologia em todo o mundo. As pessoas ficarão chocadas.

“Eu testei [isso] aqui nos Estados Unidos, em Washington D.C. … testei com algumas pessoas de alto nível no governo dos Estados Unidos e eles ficaram chocados com algumas das revelações do filme”, ​​acrescentou.

Bannon, que atualmente é presidente da Sociedade de Estado de Direito e co-fundador do Comitê sobre o Perigo Atual: China, disse que o filme é significativo, pois explora a ameaça iminente que o regime chinês representa para o Ocidente através das ambições de seu domínio tecnológico global.

“A espinha dorsal do futuro da tecnologia é a 5G, [ela] será uma tecnologia dominante”, disse Bannon. “Neste momento, o caminho que a Huawei tomou como linha de frente do ELP é o de basicamente assumir as redes e os componentes em todo o mundo. Se permitirmos que isso aconteça mesmo por mais alguns anos, a Huawei basicamente controlará os sistemas de comunicações do Ocidente e, portanto, poderá controlar o Ocidente”.

O presidente Donald Trump considera a Huawei como uma “ameaça à segurança nacional”, tendo dito em 19 de agosto que “neste momento parece realmente que não vamos fazer negócios”.

A gigante das telecomunicações chinesa tem lutado pela proibição do comércio desde maio, em meio à guerra comercial em curso. A proibição bloqueou efetivamente a Huawei de fazer negócios com empresas dos Estados Unidos sem uma licença especial.

Autoridades norte-americanas expressaram repetidamente fortes preocupações de que o equipamento da Huawei possa ser usado pelo regime chinês para espionagem, devido aos laços estreitos da empresa com Pequim.

Um estudo recente descobriu que cerca de 100 funcionários da Huawei tinham ligações com agências militares ou de inteligência chinesas. A ex-CEO da Huawei, Sun Yafang, também trabalhou para a principal agência de espionagem da China, o Ministério de Segurança do Estado, antes de ingressar na empresa.

Uma pesquisa conduzida pela firma de segurança cibernética Finite State em junho, descobriu mais de 102 vulnerabilidades conhecidas entre os 550 dispositivos Huawei examinados, expondo seus usuários a altos riscos de segurança.

A administração de Washington também proibiu a Huawei de construir as redes 5G de próxima geração em detrimento das preocupações de segurança nacional, e advertiu os aliados dos Estados Unidos contra o trabalho com a Huawei.

Até agora, os Estados Unidos colocaram na lista negra mais de 100 das afiliadas da Huawei. Autoridades concederam uma prorrogação de 90 dias no início desta semana que permite que a empresa compre produtos dos Estados Unidos, proporcionando às empresas dos Estados Unidos mais tempo para fazer a transição dos negócios para longe da Huawei.

“Temos sido muito claros com o Canadá e com todos os nossos aliados que consideramos a Huawei incompatível com os interesses de segurança dos Estados Unidos da América ou com nossos aliados em nações amantes da liberdade em todo o mundo”, disse o vice-presidente Mike Pence em Ottawa, Canadá, durante uma conferência de imprensa em maio.

O filme será distribuído pela New Tang Dynasty Television (NTD) e os atores Dorren Lee, Taras Lavren e Eric Peterson serão os protagonistas.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

TE RECOMENDAMOS