Psicanalista afirma: esqueça o politicamente correto, as crianças precisam de ambos os pais

Os últimos anos estão cheios de histórias sobre uma geração que parece não conseguir sobreviver sozinha
05 de Diciembre de 2019 Actualizado: 05 de Diciembre de 2019

Por Manuel Rios

Quando eu era um jovem estudante universitário tentando me orientar nas aulas e levar a lição de casa a sério, participava de um fórum de discussão online com algumas ideias sobre as desvantagens enfrentadas por crianças criadas em casas de pais solteiros.

Grande erro.

Fui atacado com respostas emocionais, cuja essência pode ser resumida como: “Fui criada por uma mãe solteira! Eu estou muito bem!

Leia também:
Novo estudo revela que exposição a dispositivos eletrônicos pode prejudicar desenvolvimento cerebral das crianças

Ao longo dos anos, aprendi que essas respostas não se limitam a estudantes universitários. Eu entendo. Mães solteiras têm uma vida difícil e trabalham como burro de carga, muitas das quais se sacrificam constantemente para dar o melhor aos filhos. Eles precisam de todo o amor e apoio que podemos dar a eles.

Mas dar amor e apoio não significa que devemos ignorar o fato de que os filhos criados apenas pelo pai, ou apenas pela mãe, enfrentam várias desvantagens em suas vidas.

A psicanalista Erica Komisar entende.

Escrevendo no The Wall Street Journal, Komisar disse que “o politicamente correto é ruim para as crianças”, citando uma nova pesquisa na qual quase 70% das pessoas com uma afiliação política liberal discordam da ideia de que “o casamento é necessário para criar famílias fortes.” Quem pensa assim está errado, diz Komisar. “É uma pena que o politicamente correto iniba as discussões sobre o que é melhor para as crianças.”

Ela enumera três desvantagens de crescer sem pai e mãe. Repito-os aqui, porque eles iluminam várias tendências de fazer coçar a cabeça que vimos entre os millennials da geração Y e os da geração Z.

1. Cortar o cordão umbilical

As crianças precisam de um equilíbrio entre apego seguro e separação saudável, e a estrutura tradicional de dois pais fornece isso. As mães são as únicas adequadas para educação sensível, o que ajuda a regular a angústia e é essencial para o desenvolvimento inicial. Os pais proporcionam equilíbrio, ensinando seus filhos a regular sua agressividade e a serem independentes. Segundo minhas experiências, tenho visto um número crescente de mães solteiras por escolha. Embora as mães tenham a questão do apego, elas não têm um homem por perto para ajudar no processo de separação, e as crianças brigam como resultado.

Os últimos anos estão cheios de histórias sobre uma geração que parece não conseguir sobreviver sozinha. Eles não sabem cozinhar, limpar ou executar tarefas “adultas”. Eles têm problemas para ir a entrevistas na universidade ou procurar seu primeiro emprego de verdade sem que a mãe tenha que servir de advogada e correr para interceder por eles. Pode haver outros fatores no trabalho, mas é possível que a crescente ausência de pais tenha deixado nossos filhos nessa bagunça?

Será que a geração atual de jovens é incapaz de abrir as asas e voar porque é o pai que geralmente os ajuda a cortar o cordão umbilical?

2. Decadência do casamento

Os filhos de pais solteiros também não têm a oportunidade de observar um relacionamento amoroso entre dois adultos e isso pode interferir na capacidade de formar relacionamentos quando crescerem. Essas perdas só podem ser reparadas se forem reconhecidas.

Outro tema da moda nos últimos anos é a incapacidade dos jovens de namorar alguém, casar e formar uma família. As teorias são abundantes: a culpa é dos videogames, das redes sociais ou da explosão de opções de aplicativos de namoro que impedem que os jovens se relacionem como antigamente. E se eles simplesmente não souberem como fazer? Nós aprendemos pelo exemplo. Se o exemplo de pai e mãe que se amam está ausente, ou se essas histórias de “como eu conheci sua mãe” não existirem, não será muito mais difícil para os jovens chegarem ao altar?

3. Problemas de comportamento

As estruturas familiares tradicionais incentivaram uma divisão do trabalho na qual o pai ganha dinheiro e a mãe cuida dos filhos. Esse equilíbrio se tornou mais difícil, mesmo para famílias com dois pais, mas os pais solteiros têm muito mais dificuldade. Juntamente com os desafios emocionais, isso pode contribuir para um ciclo de pobreza. Filhos de pais solteiros são mais propensos a ter problemas emocionais e comportamentais, a abandonar a escola e a serem pobres quando adultos.

A piora do comportamento das crianças é um tópico de conversa em quase todas as gerações. Mas com as histórias de violência e desrespeito aos professores que proliferaram nos últimos anos, parece seguro dizer que a geração atual ganha o prêmio por ter muito mais problemas emocionais e comportamentais.

Será que os professores de hoje teriam mais tempo para se dedicar ao ensino se não precisassem lidar com as consequências emocionais de lares desfeitos nos Estados Unidos?

Annie Holmquist é editora da revista Intelectual Takeout. Este artigo foi publicado originalmente por Intellectual Takeout

TE RECOMENDAMOS