“Qualquer coisa que você me der está bom”: venezuelano paga gasolina com sabão

Por PACHI VALENCIA
08 de Octubre de 2019 11:55 PM Actualizado: 09 de Octubre de 2019 8:32 AM

Diante da grave crise que assola a Venezuela, os moradores tiveram que recorrer a um método incomum para adquirir combustível no país.

O jornalista venezuelano Héctor Escandell contou sua experiência enquanto dirigia de Maracay para Caracas, onde precisou parar em um posto de gasolina para encher o tanque sem ter nenhum dinheiro, então lhe ocorreu propor uma troca interessante, informou a mídia argentina Infobae.

“Paguei gasolina com sabão. Simples assim. Imagine a cena de você chegando em um posto de gasolina sem nenhum centavo para encher o tanque do seu carro”, disse Escandell em sua crônica.

O “bombeiro”, como são conhecidos aqueles que trabalham em postos de gasolina na Venezuela, rapidamente concordou em negociar sem hesitar: “Qualquer coisa que você me der está bom”, disse o homem.

Um cliente mostra os ingressos para Bolívar enquanto estava em uma estação de serviço em Caracas, onde as pessoas fazem fila para comprar gasolina em 17 de agosto de 2018. O presidente Nicolás Maduro anunciou em 13 de agosto de 2018 que o combustível subsidiado pela Venezuela Ele estará disponível apenas para aqueles que registrarem seus veículos com o "cartão do país" que é dado àqueles que aderem à política ditatorial do regime (FEDERICO PARRA / AFP / Getty Images)
Um cliente mostra as notas de bolívar em um posto de gasolina em Caracas, onde as pessoas têm feito fila para comprar gasolina, em 17 de agosto de 2018. O presidente Nicolás Maduro anunciou em 13 de agosto de 2018 que o combustível subsidiado pela Venezuela estará disponível apenas para aqueles que registrarem seus veículos com o “cartão do país” que é dado àqueles que aderem à política ditatorial do regime (FEDERICO PARRA / AFP / Getty Images)

“Enquanto o fornecedor marcava a quantidade e os litros, pegamos um sabonete da marca Palmolive e entregamos a ele. Você não pode imaginar o rosto dele quando viu esse produto – tão caro e escasso – era dele mesmo”, escreveu Escandell no artigo, enfatizando que o preço do sabão é igual ao salário ganho pelo homem em um mês de trabalho.

Atualmente, a situação de crise econômica e humanitária na Venezuela se tornou tão caótica que hoje um ovo custa o mesmo que 93,3 milhões de litros de gasolina.

Um ovo custa cerca de 933 bolívares em um supermercado e um litro de gasolina custa 0,00001 bolívares em uma estação de serviço. Para encher um tanque de 50 litros são necessários 0,0005 bolívares, valor impossível de pagar com dinheiro, pois a nota mais baixa é a de 2 bolívares. Após uma reconversão monetária lançada por Nicolás Maduro em agosto passado, foram removidos cinco zeros do bolívar.

No entanto, apesar do fato de a gasolina ser praticamente “distribuída” na Venezuela, muitas regiões da Venezuela sofrem com a escassez de gasolina, o que fez com que os cidadãos passassem mais de um dia inteiro em filas esperando para encher seus tanques.

Carros fazem fila para abastecer seus tanques de gasolina em um posto de gasolina em Valência, Carabobo, Venezuela, em 25 de maio de 2019. (MARVIN RECINOS / AFP / Getty Images)
Carros fazem fila para abastecer seus tanques de gasolina em um posto de gasolina em Valência, Carabobo, Venezuela, em 25 de maio de 2019 (MARVIN RECINOS / AFP / Getty Images)

Em 2018, o ditador Nicolás Maduro anunciou que aumentaria o preço da gasolina a preço internacional, mas apenas para pessoas que não possuíssem a chamada “carta do país”, um mecanismo para controlar a população venezuelana.

O aumento nunca se materializou no país, embora possua as maiores reservas de petróleo da região, cuja produção caiu para os piores níveis em três décadas.

Maduro argumentou que o problema era a “guerra econômica” da oposição e dos Estados Unidos, mas, de acordo com a Assembléia Nacional, o verdadeiro motivo são os anos de políticas errôneas do Chavismo ao tentar controlar a população.

O ditador venezuelano Nicolás Maduro, em Moscou, em 25 de setembro de 2019 ( EFE / EPA / ALEXEI DRUZHININ / SPUTNIK / KREMLIN POOL)
O ditador venezuelano Nicolás Maduro, em Moscou, em 25 de setembro de 2019 ( EFE / EPA / ALEXEI DRUZHININ / SPUTNIK / KREMLIN POOL)

Nos últimos meses, a escassez de gasolina se espalhou gradualmente nas cidades do interior do país, principalmente nos estados fronteiriços, o que levou algumas regiões à imposição de racionamento programado para a venda do combustível.

“Neste momento há discriminação, o que é discriminação? Que existe (gasolina) em Caracas, mas no interior do país, em dezesseis estados, existe esse desastre”, afirmou Luis Hernández, diretor da Frente de Petroleiros de Monagas.

Especialistas alertaram que a escassez de combustível piorará gradualmente, pois a PDVSA tem dificuldades em recuperar a extração de hidrocarbonetos e, além disso, suas refinarias estão funcionando bem abaixo da capacidade instalada.

Da mesma forma, o jornalista venezuelano alerta que essa escassez está sendo explorada pelas máfias que transportam combustível para a fronteira com a Colômbia e o Brasil, para vendê-las a um preço mais alto.

“A gasolina se tornou um grande negócio e poucos querem perder seu pedaço de bolo”, disse ele.

A jornalista do Epoch Times, Anastasia Gubin, contribuiu para esta reportagem.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.