Regime comunista chinês está à beira da ‘desintegração’, afirma principal especialista na China

Por FRANK FANG
11 de Diciembre de 2019
Actualizado: 11 de Diciembre de 2019

O regime comunista chinês está caminhando para a desintegração e o Ocidente precisa estar preparado para lidar com as consequências, de acordo com um importante acadêmico especializado na China.

Arthur Waldron, historiador da China e professor de Relações Internacionais no Instituto Lauder, no Departamento de História da Universidade da Pensilvânia, fez essas declarações em uma entrevista recente realizada pelo American Thought Leaders do Epoch Times. Ele expressou sua opinião sobre o colapso iminente do Partido Comunista Chinês (PCC), a política externa dos Estados Unidos em relação à China e os protestos implacáveis ​​de Hong Kong que representam um grande desafio ao regime de Pequim.

Desintegração do PCC

O PCC iniciou um caminho de declínio e está caminhando para um destino semelhante ao da União Soviética que entrou em colapso em 1991, disse o professor.

“Eu acho que a China está neste estágio de desintegração ou ‘jie ti (‘) ‘, e é algo que não é visto imediatamente”, disse Waldron.

A prática de parte do regime chinês de extração forçada de órgãos – resultando na morte de dezenas de milhares de prisioneiros de consciência a cada ano para abastecer o mercado de transplantes de órgãos – e maus-tratos aos uigures e outras minorias muçulmanas no paí na região noroeste de Xinjiang tornou-o “o regime mais maligno” desde a Alemanha nazista, disse Waldron.

Ele lembrou-se de uma conversa com uma pessoa que não revelou sua identidade e que é um conselheiro próximo do líder chinês Xi Jinping.

“Ele disse: Arthur, o que diabos vamos fazer? Todo mundo sabe que esse sistema [político] não funciona. Chegamos a um “si hu tong” ”(死胡同), disse Waldron, explicando que a frase chinesa significa “rua sem saída ”.

O conselheiro continuou: “Mas o que não sabemos é qual é o próximo passo a ser dado, porque … existem minas em todos os lugares e, se dermos um passo, podemos desencadear uma terrível explosão”.

A economia chinesa não voa mais tão alto quanto antes. O crescimento do PIB da gigante asiática no terceiro trimestre aumentou 6,0% em relação ao ano anterior, a menor taxa em 27 anos. Segundo a Reuters, o declínio no crescimento foi atribuído pelos economistas à fraqueza das indústrias relacionadas à exportação, particularmente do setor manufatureiro.

“Esse regime sabe que está em sério perigo, em nível nacional”, disse Waldron, antes de acrescentar: “Então o verdadeiro problema intelectual é como sair do comunismo”.

A política externa dos EUA

“Eu digo que a política de Kissinger em relação à China e a de Nixon em relação à China são o maior fracasso da política externa dos Estados Unidos”, disse Waldron.

Após mais de duas décadas de isolamento diplomático, o ex-secretário de Estado dos Estados Unidos Henry Kissinger, sob o comando do ex-presidente Richard Nixon, abriu as relações dos Estados Unidos com a República Popular da China ao viajar para o país asiático em 1971.

Naquela época, a China estava sob o domínio do ex-líder Mao Tsé Tung. A visita de Kissinger abriu caminho para Nixon visitar a China em 1972, e ele foi o primeiro presidente dos Estados Unidos a visitar a China enquanto estava no cargo.

“Naquela época, até o próprio Mao Tsé Tung. achava que o Partido Comunista [chinês] entraria em colapso em breve, mas a visita do presidente Nixon e Kissinger salvou o Partido Comunista”, disse o ativista pró-democrata Wei Jingsheng em uma manifestação realizada em Washington, DC, em setembro de 2005.

Sob o mandato do ex-presidente Jimmy Carter, os Estados Unidos romperam laços oficiais com Taiwan e reconheceram Pequim em 1979.

A decisão do governo dos EUA de receber a China na Organização Mundial do Comércio (OMC) em 2001 também foi contraproducente, segundo Waldron.

“Nós o trouxemos [à China] para tentar convencê-los de alguma forma a ser o que Nixon e Kissinger sonhavam que seriam, ou seja, eles aprenderiam com os Estados Unidos e começariam a democratizar, mas não o fizeram”, disse Waldron.

De fato, não apenas a China não se tornou mais livre, mas “o regime do Partido está mais rígido e mais organizado agora do que sob Mao”, acrescentou Waldron.

Até agora, o comércio e o investimento nos Estados Unidos, incluindo o de fundos de pensão na China, é o que mantém o Partido Comunista Chinês à tona, disse Waldron.

“Se eles tivessem que viver com o que podem obter de suas empresas estatais, que perdem dinheiro e impostos, seria uma situação completamente diferente”, disse Waldron.

Em 6 de novembro, um grupo de parlamentares bipartidários dos Estados Unidosliderados pelo senador Marco Rubio (republicano da Flórida) apresentou um projeto de lei que visa impedir que um fundo federal de aposentadoria invista em ações chinesas.

Ele acreditava que o atual governo deveria “realmente tomar uma posição o mais difícil possível” em relação à China.

Quanto à futura política externa dos Estados Unidos em relação à China, Waldron disse que o atual secretário de Estado Mike Pompeo tem uma tarefa difícil pela frente.

“Penso que talvez o maior desafio enfrentado por Pompeo e seu povo hoje seja perceber que precisamos começar a pensar em como a China atinge esse beco sem saída”, disse Waldron. “Eles precisam decidir o que farão no beco sem saída e temos que decidir o que faremos em resposta”.

Hong Kong

Em Hong Kong, os atuais protestos a favor da democracia estão prestes a entrar no sexto mês sem um fim à vista, já que a polícia ainda é acusada de usar táticas duras para reprimir as manifestações, e o governo de a cidade e Pequim se recusam a atender às demandas dos manifestantes, alimentando a raiva do público.

“A origem desta crise [de Hong Kong] é a tomada de decisões desastrosas pelas autoridades comunistas e, em seguida, a incapacidade de entender isso e deixar que a situação continue”, disse Waldron.

Ele explicou que se Pequim tivesse cumprido sua promessa feita em 1997 e 1984, o povo de Hong Kong só estaria preocupado em ir a um centro de votação para votar a cada um ou dois anos.

Hong Kong, uma ex-colônia britânica, foi entregue a Pequim em 1997, depois que os dois lados assinaram a Declaração Conjunta Sino-Britânica de 1984. Sob o tratado, o regime garantia que Hong Kong retivesse sua autonomia do regime chinês e suas liberdades por 50 anos.

De acordo com a Lei de Política EUA-Hong Kong de 1992, Hong Kong é considerada uma entidade especial, separada da China, em termos de comércio, investimentos e vistos. No entanto, o tratamento especial pode terminar pouco depois do governo dos Estados Unidos promulgar a Lei de Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong, que exige que o secretário de Estado revise anualmente se a cidade é “suficientemente autônoma” da China para justificar seus privilégios econômicos com os Estados Unidos.

Leia também:

“Eu acho que o status especial acabou. Espero que não, mas acho que acabou”, disse Waldron. “Eu acho que a polícia foi seriamente comprometida. O sistema legal está agora sob ataque.

Recentemente, um espião chinês que desertou para a Austrália revelou que agentes chineses estavam por trás do seqüestro de cinco livreiros em Hong Kong em 2015.

Quanto ao ataque incendiário em Hong Kong contra a edição chinesa do The Epoch Times, em 19 de novembro, por quatro homens mascarados vestidos de preto, Waldron disse suspeitar que eles eram membros das tríades.

“Uma das características que vimos e dramatizamos em Hong Kong é a estreita colaboração entre a máfia chinesa ou as tríades e o governo de [Hong Kong]”, disse Waldron.

Quando um governo não quer ouvir seus cidadãos e quer mantê-los afastados, eles criam violência, enviando tríades para atacar pessoas, e é uma tática eficaz porque assusta a população, acrescentou.

Em 21 de julho, homens de camisa branca supostamente pertencentes às tríades invadiram a estação de metrô Yuen Long e atacaram os passageiros com varas e paus. A polícia chegou ao local cerca de 45 minutos depois.

Seis dias depois, em Yuen Long, quando milhares de manifestantes foram às ruas para protestar contra os ataques ao metrô, a Anistia Internacional emitiu um comunicado apontando para a polícia os agressores que atingiram os manifestantes que já estavam se aposentando e que atacaram civis.

“Esses 5 ou 6 meses ensinaram a todos em Hong Kong que os comunistas chineses são perigosos, odiosos e não podem ser confiáveis”, disse Waldron.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

*********

Assista também:

O apelo pacífico de 25 de abril de 1999

 

TE RECOMENDAMOS