Regime de Maduro diz que “uma brisa bolivariana” passou pelo Equador, Peru e Argentina

Por PACHI VALENCIA
11 de Octubre de 2019 10:16 AM Actualizado: 11 de Octubre de 2019 10:16 AM

O número dois do Chavismo, Diosdado Cabello, disse que uma “brisa bolivariana” passou por diferentes países da região, durante uma reunião do regime venezuelano em 7 de outubro.

“Atualmente, há uma brisa bolivariana, uma brisa em alguns países, como Equador, Peru; Argentina, Colômbia, Honduras e Brasil ”, disse Cabello em um ato oficial do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) na última segunda-feira.

Desse modo, os militares venezuelanos se referiam aos conflitos sociais e políticos naquelas nações que tinham como protagonistas figuras da esquerda latino-americana.

Nos últimos dias no Equador, foram feitas marchas e tentativas de tomar o Palácio Legislativo e Executivo, em um esforço para exigir a renúncia do presidente Lenin Moreno, depois que ele assinou um decreto em 1º de outubro para eliminar os subsídios ao diesel e à Gasolina “extra”, que entrou em vigor na quinta-feira, 4 de outubro.

Após a eliminação dos subsídios, os preços aumentaram para 123%. O galão (quatro litros) de diesel passou de US$ 1,03 para US $ 2,30, e a gasolina de US $1,85 para US $ 2,40, informou o PanAm Post.

Nas manifestações das transportadoras foram adicionadas organizações sociais, estudantes indígenas e universitários que rejeitaram o que tem sido chamado de “pacote”. Os indígenas também chegaram à capital para protestar contra o extrativismo em suas terras ancestrais e exigir que a jurisdição e a educação bilíngue sejam respeitadas, informou a EFE.

Manifestantes enfrentam a polícia de choque durante confrontos na Assembléia Nacional em Quito, em 8 de outubro de 2019 (MARTIN BERNETTI / AFP via Getty Images)

O ex-presidente equatoriano Rafael Correa rejeitou as acusações de que ele está por trás das marchas e protestos indígenas contra medidas como a eliminação do subsídio ao combustível, mas instou o atual presidente Lenín Moreno na quarta-feira a convocar eleições antecipadas antes dos protestos.

“Se eu precisar ser candidato, serei”, disse ele em entrevista coletiva no Parlamento Europeu, para a qual foi convidado pelo grupo de Esquerda Unida.

Por outro lado, no Peru, vários grupos saíram às ruas para apoiar a dissolução inconstitucional do Congresso perpetrada pelo presidente Martín Vizcarra, que anunciou o fechamento do Parlamento e as novas eleições legislativas em 30 de setembro.

Foto cortesia da Agência Andina que mostra o presidente do Peru, Marín Vizcarra, enquanto anuncia a dissolução do Congresso, em 30 de setembro, em Lima (Peru)(EFE / Agência Andina)
Foto cortesia da Agência Andina que mostra o presidente do Peru, Marín Vizcarra, enquanto anuncia a dissolução do Congresso, em 30 de setembro, em Lima ,Peru (EFE / Agência Andina)

O presidente acusou o Congresso de distrair o trabalho do governo com várias interpelações para seus ministros e de pressionar a renúncia de membros de seu gabinete pelo voto da maioria do partido de direita de Keiko Fujimori.

Para Mary Anastasia O’Grady, especialista em questões relacionadas à América Latina do Wall Street Journal, a atual separação de poderes, tão crucial para a democracia, está em perigo.

“Muitos partidários de Vizcarra, à esquerda, querem reescrever a Constituição peruana. Gregorio Santos, um admirador de Hugo Chávez, twittou na sexta-feira antes de Vizcarra usar a polícia para fechar o Congresso: “Vamos preparar uma grande reunião popular para a nova Constituição”. Ele sabe que foi assim que Chávez consolidou o poder na Venezuela. O novo primeiro ministro de Vizcarra (que faz parte de seu gabinete, não um líder legislativo) também mostra simpatia pela extrema esquerda”, escreveu o analista.

Enquanto isso, na Argentina se aproximam as eleições presidenciais, nas quais as preferências indicam que o Kirchnerismo venceria, um movimento político relacionado ao Chavismo.

A candidatura de Alberto Fernández conquistou 47,65% dos votos, contra 32,08% obtida pela fórmula liderada pelo atual presidente argentino, Mauricio Macri, com 98,67% das mesas de votação, nas eleições preliminares . As eleições finais serão no dia 27 de outubro.

 O novo candidato presidencial Alberto Fernández fala durante uma conferência de imprensa em 14 de novembro de 2007 como chefe de gabinete do governo argentino em Buenos Aires (ALEJANDRO PAGNI / AFP / Getty Images)
O novo candidato presidencial Alberto Fernández fala durante uma conferência de imprensa em 14 de novembro de 2007 como chefe de gabinete do governo argentino em Buenos Aires (ALEJANDRO PAGNI / AFP / Getty Images)

Alberto Fernández, candidato à presidência da Argentina pela Frente de Todos, disse que “as ditaduras têm uma origem não democrática, e [esse] não é o caso na Venezuela ”, durante uma entrevista em uma mídia local em 25 de agosto.

“É difícil qualificar um governo eleito como ditadura; um governo eleito pode se tornar um governo autoritário”, disse Fernández depois que Luis Majul, jornalista do programa La Cornisa, perguntou a ele por que ele não caracterizou a Venezuela “como uma ditadura, como ela é “.

Majul disse: “Ele não tem eleições”, ao qual Fernández respondeu: “Sim, mas as instituições estão trabalhando lá (…) há uma assembléia, há tribunais. Uma ditadura geralmente não tem essas coisas”.

Antes, Fernandez também disse que se alinharia à posição do México e do Uruguai sobre a situação na Venezuela se vencer as eleições de outubro.

A ex-presidente e atual senadora Cristina Fernández de Kirchner (à direita) e seu ex-chefe de gabinete Alberto Fernández em Merlo, província de Buenos Aires, em 25 de maio de 2019 (ALEJANDRO PAGNI / AFP / Getty Images)
A ex-presidente e atual senadora Cristina Fernández de Kirchner (à direita) e seu ex-chefe de gabinete Alberto Fernández em Merlo, província de Buenos Aires, em 25 de maio de 2019 (ALEJANDRO PAGNI / AFP / Getty Images)

“Não concordo com todas essas propostas que enumeraram parte da América Latina por trás de Trump e aprecio muito a proposta de López Obrador e Tabaré Vázquez”, disse ele em 21 de agosto em entrevista ao programa Telenoche do canal El Trece , acrescentando que os dois presidentes seriam adicionados a “tentar encontrar uma saída para a Venezuela”.

Ao contrário das fortes denúncias da maioria dos países latino-americanos contra o regime de Nicolás Maduro, o México e o Uruguai estão abrindo caminho para a não intervenção para resolver a crise venezuelana.

Cabello, presidente da Assembléia Constituinte de Chavista, também sugeriu que esses problemas nos países são uma consequência por ter se envolvido com a Venezuela.

Nicolás Maduro e o presidente da assembléia constituinte do regime socialista, Diosdado Cabello (FEDERICO PARRA / AFP / Getty Images)
Nicolás Maduro e o presidente da assembléia constituinte do regime socialista, Diosdado Cabello (FEDERICO PARRA / AFP / Getty Images)

“Eles precisam se levantar e governar seus respectivos países e as pessoas farão o que estão fazendo agora: começarão a exigir que seus governantes cuidem dos assuntos internos de seus países e deixem a Venezuela e os venezuelanos sozinhos para que saibamos como resolver nossos problemas sem que ninguém interfira; sem que ninguém tome partido ou tente impor presidentes aqui na Venezuela”, acrescentou o exército chavista.

Mais de 50 países, incluindo os Estados Unidos, não reconhecem Maduro como presidente, pois consideram que seu mandato atual surgiu de um processo eleitoral sem garantias democráticas; portanto, Juan Guaidó foi proclamado presidente em 23 de janeiro e a crise política foi acentuada no país sul-americano.

Na região, apenas alguns países como Cuba e Bolívia apóiam Maduro abertamente, enquanto o México e o Uruguai dizem que não se envolvem, mas reconhecem a autoridade de Maduro em seus países.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.