Regiões asiáticas em alerta máximo após entrada de vírus misteriosos na China Central

Por EVA FU
06 de Enero de 2020
Actualizado: 06 de Enero de 2020

Uma forma não identificada de pneumonia que eclodiu recentemente na cidade de Wuhan, no centro da China, colocou as regiões vizinhas em alerta máximo, enquanto as autoridades na China tentam identificar a origem do vírus misterioso.

Em 6 de janeiro, os hospitais públicos de Hong Kong admitiram mais seis pacientes que apresentaram sintomas de infecção respiratória ou pneumonia, elevando o total para 21, de acordo com a Autoridade Hospitalar da cidade. Os pacientes foram a Wuhan nos últimos 14 dias.

O governo local de Wuhan, uma importante cidade industrial e comercial da China Central, confirmou 59 casos do vírus desconhecido, com sete em estado grave. Todos os 59 estão recebendo tratamento médico em quarentena.

A comissão de saúde de Wuhan, no dia 5 de janeiro, descartou as investigações iniciais sobre gripe, gripe aviária, adenovírus, síndrome respiratória aguda grave (SARS) e síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS). A causa do surto permanece incerta.

Uma investigação ligou a doença a um mercado atacadista local de frutos do mar. Autoridades disseram que ainda estão realizando observação médica em 163 pessoas que tiveram contato próximo com os pacientes.

O primeiro caso foi descoberto em Wuhan em 12 de dezembro, informou a comissão de saúde. As autoridades confirmaram o surto em 31 de dezembro.

As notícias do vírus provocaram pânico em todo o país, provocando comparações com o surto de SARS em larga escala que surgiu no final de 2002. Devido à forte censura do regime, a doença se espalhou para 37 países e infectou mais de 8.000 pessoas em todo o mundo, causando quase 800 mortes

People wear masks on the street to prote
Pessoas usam máscaras nas ruas para se proteger contra um vírus mortal de pneumonia em Hong Kong, em 31 de março de 2003 (Peter Parks / AFP / GettyImages)

 

Regiões vizinhas

Em Hong Kong, as autoridades locais disseram ter iniciado um “nível de resposta sério” – o segundo nível do sistema de resposta em três níveis – desde 4 de janeiro em resposta ao “aglomerado de casos de pneumonia viral” e isolariam qualquer caso suspeito de tratamento.

O medo de outro surto potencialmente mortal levou os moradores da cidade a estocarem máscaras faciais.

Dos 21 que apresentaram sintomas após o retorno de Wuhan, sete receberam alta enquanto os outros permanecem em condição estável. O paciente mais jovem tem 2 anos.

O governo de Hong Kong também está adotando medidas para monitorar os vôos de entrada de Wuhan e instalou máquinas de infravermelho para detectar sinais de febre nos aeroportos e rodovias, disse em 4 de janeiro um porta-voz do Departamento de Saúde e Alimentos da cidade.

Em uma conferência de 6 de janeiro sobre o assunto, autoridades de Hong Kong disseram que alertaram todos os profissionais médicos da cidade a prestarem atenção especial aos pacientes que apresentem sintomas da doença suspeita.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), em 5 de janeiro, disse estar “em estreito contato com as autoridades nacionais da China” e monitorando a situação, mas afirmou que não são necessárias restrições de viagem ou comércio no estágio atual.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças disse ao Epoch Times que está “coordenando de perto” com a OMS. A agência também publicou um aviso de viagem de nível 1 em 6 de janeiro, aconselhando os viajantes a Wuhan a tomar as precauções habituais, incluindo ficar longe de “animais vivos ou mortos, mercados de animais e contato com pessoas doentes”. Também sugeriu que os viajantes lavassem as mãos com frequência com sabão e água.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos não atualizou seu comunicado de viagem e não respondeu a uma pergunta do Epoch Times sobre esse problema.

Oito pessoas em Taiwan apresentaram sintomas leves de febre depois de voltarem de Wuhan. O Centro de Controle de Doenças de Taiwan implementou a triagem nos aeroportos para voos diretos a partir de Wuhan.

As autoridades de Macau também aumentaram os níveis de alerta para doenças infecciosas e aconselharam os cassinos a instalar dispositivos de varredura de temperatura nas entradas. A cidade já presenciou cinco casos suspeitos, com quatro sendo falsos alarmes depois de serem diagnosticados com gripe ou resfriado comum. Uma investigação está em andamento em uma mulher de 44 anos, que ficou febril após uma visita a Wuhan no final de dezembro.

Uma suspeita de infecção por vírus relatada em Cingapura em 4 de janeiro acabou sendo um alarme falso.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

*********

Assista também:

A história dos 36 ocidentais que foram à China

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS