Roberto Baggio revela ter implorado para que mãe o matasse após 1ª lesão

Por EFE
14 de Octubre de 2019
Actualizado: 14 de Octubre de 2019

Roma, 14 out (EFE)- O ex-jogador italiano Roberto Baggio, que perdeu o pênalti decisivo na final da Copa do Mundo de 1994, em que o Brasil foi campeão, fez uma revelação dramática durante evento realizado nesta segunda-feira, sobre a primeira grave lesão sofrida no joelho direito, em 1985.

“Nessa hora, peço para minha mãe que ela me mate. Eu digo: ‘mãe, se quiser, me mate'”, contou o antigo meia, durante um seminário realizado pelo jornal “Gazzetta dello Sport”, na cidade de Trento, na Itália.

A contusão, um rompimento do ligamento cruzado do joelho direito, que rendeu 200 pontos no local, aconteceu em maio de 1985, pouco depois da formalização da transferência do Vicenza, clube que o revelou, para a Fiorentina.

Baggio, que defendeu também Juventus, Milan, Inter de Milão, entre outros, confessou que passou a carreira inteira atuando com dores, por causa de inúmeras graves lesões, algo que o levou a procurar abrigo na religião, já em 1985, quando se tornou budista.

“Buscava algo que me fizesse entender que tudo dependia de mim. Antes, eu culpava os outros. Eu era a vítima e os demais eram responsáveis pelo meu sofrimento. O budismo me ajudou a entender que tudo começa por mim”, contou o ex-camisa 10 da ‘Azzurra’.

Baggio encerrou a carreira em 2004, defendendo o Brescia, aos 35 anos, cerca de dois anos depois de quase ser convocado para a Copa do Mundo realizada na Coreia do Sul e no Japão, de que ficou fora por causa de um problema físico.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS