Sindicatos de funcionários dos Correios entram em greve

Por Bruna de Pieri - Terça Livre
11 de Septiembre de 2019 1:41 PM Actualizado: 11 de Septiembre de 2019 1:41 PM

Os sindicatos dos Correios de todo o país entraram em greve por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira (11).

A categoria se coloca contra a privatização da empresa, anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro. Além disso, pedem reajuste salarial com reposição da inflação do período.

A Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect) e a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) informaram que todos os 36 sindicatos aderiram à greve.

Os sindicatos argumentam que a direção dos Correios, “a mando do governo, se negou a negociar com os trabalhadores”.

Eles alegam ainda que a intenção do governo é “acabar com os benefícios da categoria” e que por isso, “se negam a negociar o Acordo Coletivo”.

O que diz a empresa

De acordo com os Correios, a empresa participou de dez encontros na mesa de negociação com os representantes dos trabalhadores, quando foi apresentada a real situação econômica da estatal e propostas para o acordo dentro das condições possíveis, considerando o prejuízo acumulado na ordem de R$ 3 bilhões.

“As federações, no entanto, expuseram propostas que superam até mesmo o faturamento anual da empresa, algo insustentável para o projeto de reequilíbrio financeiro em curso pela empresa”, frisou.

Os Correios ainda salientam que, no momento, “o principal compromisso da direção dos Correios é conferir à sociedade uma empresa sustentável. Por isso, a estatal conta com os empregados no trabalho de recuperação financeira da empresa e no atendimento à população”.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.