STF consultou grupo internacional antes do julgamento da polêmica sobre ex-Coaf

Toffoli mandou a Paris comissão de alto nível para esclarecer no Gafi e OCDE a posição do Brasil
Por Diário do Poder
22 de Noviembre de 2019 3:48 PM Actualizado: 22 de Noviembre de 2019 3:48 PM

É lorota a alegação de que do Supremo Tribunal Federal pode levar o Brasil à “lista cinza” (“negra” virou expressão politicamente incorreta) do Grupo de Ação Financeira contra a Lavagem de Dinheiro e o Financiamento do Terrorismo (Gafi/FATF). O Ministro Dias Toffoli emitiu sinais e garantias de que nada afetará os compromissos do Brasil no combate à corrupção. Há 15 dias, ele até mandou a Paris três assessores de alto nível para uma conversa franca com o Gafi. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Nove dias depois da reunião de Paris, Toffoli recebeu em Brasília, para um olho-no-olho, o eslavo Drogo Kos, dirigente do Gafi. Tudo em paz.

Toffoli mandou a Paris uma comissão formada por um juiz federal, um diplomata e um advogado, para a conversa esclarecedora com o Gafi.

Os assessores do STF foram também à sede da OCDE, por acaso no mesmo prédio do Gafi, para idênticos esclarecimentos. Tudo certo.

O “freio de arrumação” do STF, segundo Toffoli, teve o objetivo de impedir “investigações de gaveta para assassinar reputações”.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.