Tarantino decide não reeditar ‘Era uma vez em… Hollywood’ diante da pressão chinesa e Pompeo o parabeniza

Por PACHI VALENCIA
21 de Octubre de 2019 11:15 PM Actualizado: 21 de Octubre de 2019 11:53 PM

O diretor norte-americano Quentin Tarantino adotou uma postura de “pegue ou largue” depois que a censura chinesa decidiu cancelar a estreia de seu último filme na China, programado para 25 de outubro, de acordo com uma fonte próxima, informa The Hollywood Reporter (THR) .

“Era uma vez em Hollywood”, estrelado por Leonardo DiCaprio e Brad Pitt, foi suspenso sem explicação pela Sony Pictures Entertainment, mas segundo a THR, foi devido a uma denúncia apresentada pela filha de Bruce Lee, pela representação de seu pai em o filme.

Leia também:

No filme ambientado no final dos anos 60, Tarantino faz uma caracterização do famoso artista marcial, que muitos críticos, incluindo sua filha Shannon Lee, descreveram como um retrato arrogante. No entanto, Tarantino respondeu em uma entrevista coletiva em Moscou dizeno “eu não inventei muito disso”.

Segundo a reportagem, fontes próximas ao Bona Film Group, um dos grupos de investidores do filme com sede em Pequim, e o China Film Bureau dizem que Shannon Lee fez um apelo direto à Administração Nacional de Cinema da China, pedindo-lhe para exigir mudanças na representação de seu pai no filme.

Leonardo DiCaprio, Margot Robbie, Daniela Tarantino, Quentin Tarantino e Brad Pitt abandonam a exibição de "Era uma vez em Hollywood" durante o 72o Festival de Cinema de Cannes em 21 de maio de 2019 em Cannes, França. (Andreas Rentz / Getty Images)
Leonardo DiCaprio, Margot Robbie, Daniela Tarantino, Quentin Tarantino e Brad Pitt na exibição de “Era uma vez em Hollywood” durante o 72o Festival de Cinema de Cannes em 21 de maio de 2019 em Cannes, França (Andreas Rentz / Getty Images)

No entanto, a mídia de entretenimento disse que Tarantino tem os direitos judiciais finais incluídos em seu contrato e não planeja editá-lo novamente “especialmente porque a China não ofereceu nenhuma explicação para o que é censurável no filme”.

Por outro lado, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, parabenizou a posição de Tarantino no Twitter. “Aplaudo a recusa de Quentin Tarantino em reeditar seu filme para apaziguar a censura da China. Direitos inalienáveis, como a liberdade de expressão, não devem estar à venda”, afirmou Pompeo em 19 de outubro.

Nas últimas semanas, houve várias controvérsias em torno da censura chinesa e sua influência na indústria de entretenimento americana. Há algumas semanas, o Vietnã retirou dos cinemas o filme de animação americano “Abominable” devido a uma cena em que mostra o personagem principal em frente a um mapa com a “linha de nove pontos” do regime chinês no Mar da China Meridional.

Leia também:

  • South Park” é excluído da Internet chinesa após tocar em todos os tópicos “proibidos” pelo PCC

O filme foi produzido pelo Pearl Studio, com sede em Xangai, em conjunto com a DreamWorks Animation, de propriedade da Comcast. O Pearl Studio é de propriedade da China Media Capital (CMC), uma empresa de capital privado e capital de risco com sede em Xangai. O presidente do CMC, Li Ruigang, é um ex-funcionário do governo. Ele foi vice-secretário geral e chefe de gabinete do governo municipal de Xangai de 2011 a 2012. De 2010 a 2011, ele também foi presidente do grupo de mídia do estado de Xangai.

 

Um garoto observa um pôster do filme de animação "Everest Nguoi Tuyet Be Nho", também conhecido como “Abominable”, em um cinema em Hanói em 14 de outubro de 2019 (Nhac Nguyen / AFP via Getty Images)
Um garoto observa um pôster do filme de animação “Everest Nguoi Tuyet Be Nho”, também conhecido como “Abominable”, em um cinema em Hanói em 14 de outubro de 2019 (Nhac Nguyen / AFP via Getty Images)

A Dra. Tran Duc Cuong, presidente da Associação de Ciência Histórica do Vietnã (VAHS), disse que mostrar a “linha dos nove pontos”, mesmo por alguns segundos, não é aceitável, porque isso é uma violação da soberania do Vietnã, de acordo com um relatório de Thanh Nien de 14 de outubro. Dr. Nguyen Quang Ngoc, vice-presidente da VAHS, disse que a “linha de nove pontos” da China é uma invenção chinesa que não tem base histórica.

Da mesma forma, a popular estrela do YouTube PewDiePie foi censurada pela maior comunidade online da China depois de criticar a sensibilidade do regime chinês em relação a protestos em Hong Kong, enquanto zombava de empresas americanas que diminuíram a liberdade de expressão para apaziguar o regime

O PewDiePie é o segundo canal mais popular do YouTube, com mais de 101 milhões de assinantes.

Leia também:

Em um vídeo em 16 de outubro, o PewDiePie, cujo nome real é Felix Arvid Ulf Kjellberg, criticou a National Basketball Association (NBA) e a empresa americana de videogame Blizzard Entertainment por colocar seus lucros acima da liberdade de expressão em seus negócios, diante dos problemas de Hong Kong.

PewDiePie assina cópias de seu novo livro "Este livro te ama" na Barnes & Noble Union Square, em Nova Iorque, Nova Iorque, em 29 de outubro de 2015 (John Lamparski / Getty Images)
PewDiePie assina cópias de seu novo livro “Este livro te ama” na Barnes & Noble Union Square, em Nova Iorque, Nova Iorque, em 29 de outubro de 2015 (John Lamparski / Getty Images)

“Alguém da NBA twittou algo dizendo que apoia Hong Kong e depois a NBA diz: Oh Deus, precisamos de dinheiro chinês, então (…) isso simplesmente sai do controle”, disse Kjellberg no vídeo.

Um episódio semelhante ocorreu quando Blitzchung, um jogador profissional de Hong Kong, gritou “apoie Hong Kong” na transmissão ao vivo depois de vencer um torneio esportivo eletrônico. Em resposta, a Blizzard suspendeu o jogador por um ano, revogou o prêmio em dinheiro de sua competição e demitiu dois anfitriões que expressaram simpatia pelos manifestantes pró-democráticos de Hong Kong durante a transmissão ao vivo.

Mais tarde, a Blizzard reduziu o castigo de Blitzchung para meio ano e devolveu seu prêmio em meio a críticas públicas.

Leia também:

“Como a Blizzard obviamente precisa de dinheiro chinês”, disse Kjellberg, observando que “no final do dia, o objetivo [das empresas] é ganhar dinheiro”.

O Youtuber sueco também mostrou uma série de memes satirizando o Partido Comunista Chinês, incluindo aqueles comparando o líder chinês Xi Jinping com o Ursinho Pooh, que se tornou viral na China. As referências ao personagem são muito censuradas no país devido a uma série de memes que comparam o líder corpulento com o urso de desenho animado.

“A China agora tem medo de Winnie the Pooh”, disse Kjellberg, referindo-se a uma cena da série de desenhos animados de South Park que mostra o personagem da Disney na prisão na China como resultado dos memes.

A cena apareceu em um episódio recente, “Band in China”, que também foi proibido na China por tocar em uma variedade de tópicos considerados sensíveis ao regime chinês, incluindo censura, trabalho forçado e extração de órgãos.

“Isso diz muito sobre a sociedade, quando South Park zomba de você por censurar a mídia, então você mostra que eles estão errados ao censurá-la”, disse ele.

Os personagens do desenho animado “South Park”, incluindo Elton John (atrás) com (da direita para a esquerda) Kenny, Stan, Kyle e Cartman, em um episódio de 1998 (Getty Images)
Os personagens do desenho animado “South Park”, incluindo Elton John (atrás) com (da direita para a esquerda) Kenny, Stan, Kyle e Cartman, em um episódio de 1998 (Getty Images)

Segundo outro artigo do The Hollywood Reporter, não apenas os capítulos de South Park foram proibidos na China, mas também qualquer discussão on-line sobre o programa, especialmente em redes sociais e páginas de fãs. Agora, ao procurar desenhos animados em algumas plataformas interativas, aparece uma mensagem como a seguinte: “De acordo com as leis e regulamentos relevantes, esta seção está temporariamente fechada”.

Os criadores de South Park, Trey Parker e Matt Stonen, emitiram um “pedido de desculpas oficial à China” via Twitter, no qual uma continuidade de críticas pode ser lida em tom irônico, onde fizeram um trocadilho com “colheita de sorgo” ”, que em inglês soa semelhante à“ remoção de órgãos ”, um crime perpetrado pelo regime chinês há mais de uma década:

“Como a NBA, damos as boas vindas aos censores chineses em nossas casas e em nossos corações. Também amamos dinheiro mais do que liberdade e democracia. Xi não é nada como o Ursinho Pooh […] Viva o Grande Partido Comunista Chinês! Que a colheita de sorgo seja abundante neste outono. Está tudo bem agora?

 

******

Assista também:

Rádio MEC AM entrevista David Matas sobre a perseguição do Falun Gong na China

 

 

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.