Taxa de desemprego cai para 11,2%, e atinge 11,9 milhões de brasileiros em novembro

Nível de desemprego é o menor desde o trimestre encerrado em março de 2016, quando foi de 10,9%
Por diário do poder
27 de Diciembre de 2019
Actualizado: 27 de Diciembre de 2019

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta sexta (27) que a taxa de desemprego no Brasil ficou em 11,2% no trimestre encerrado em novembro, atingindo 11,9 milhões de pessoas. A redução no trimestre encerrado em novembro foi de 0,7 pontos em relação ao trimestre junho/agosto de 2019 (11,8%) e de 0,4 pontos em relação ao mesmo trimestre de 2018 (11,6%).

A queda do indicador foi a segunda consecutiva, que ficou em 11,6% nos três meses até outubro. Desempenho que resultou na menor taxa de desemprego desde o trimestre encerrado em março de 2016, quando o índice foi de 10,9%. A taxa foi de 11,2%, em maio e abril de 2016.

O IBGE afirma que contribuíram para a baixa no desemprego em novembro abertura de vagas temporárias no comércio para o período de aquecimento das vendas deste final de ano. Tal feito levou a população ocupada a atingir o recorde de 94,4 milhões de pessoas com emprego.

A analista da pesquisa, Adriana Beringuy, ressalta que o resultado confirma a sazonalidade esperada para essa época do ano, retomada desde 2017.

“Ficamos dois anos, em 2015 e 2016, sem ter a sazonalidade já que não havia geração de postos suficiente para atender à demanda por trabalho. Agora, o comércio mostra movimento positivo no trimestre fechado em novembro, o que achamos que está relacionado às datas comemorativas como Black Friday e a antecipação de compras de final de ano”, avaliou Beringuy.

Carteira assinada e renda em alta

O número de pessoas ocupadas cresceu em 785 mil, em comparação com os três meses encerrados em agosto. Desse universo, 338 mil foram empregados no comércio, em uma alta de 1,8%. O crescimento ainda foi observado no setor de alojamento e alimentação, com 204 mil ocupados a mais. E, na sequência, vem o setor da construção, com 180 mil vagas.

A mesma comparação registra alta de 1,1% na geração de empregos com carteira de trabalho, o maior crescimento desde o trimestre encerrado em maio de 2014. Foram 378 mil pessoas a mais com carteira, totalizando 33,4 milhões de trabalhadores nessa categoria.

Foi registrada a estabilidade estatística entre trabalhadores sem carteira de trabalho assinada no setor privado, com o número de 11,8 milhões de pessoas.

A renda também melhorou. Na comparação com os três meses anteriores, rendimento médio real habitual teve leve alta, de 1,1%, alcançando R$ 2.332, segundo o IBGE.

E ainda houve alta nos rendimentos recebidos por quem trabalha com alojamento e alimentação (4,4%) e outros serviços (4,3%), com estabilidade nos demais.

Informalidade e novo recorde na conta própria

A população ocupada informal atingiu 38,8 milhões de pessoas, com os indicadores de informalidade avançando, mesmo com a melhoria no emprego com carteira assinada. A alta foi de 1,2% no número de trabalhadores por conta própria, que atingiu 24,6 milhões de pessoas, nos três meses até novembro – um novo recorde na série histórica do IBGE.

“Esse movimento da carteira é positivo, mas não é suficiente para uma mudança na estrutura do mercado de trabalho. A despeito dessa reação, durante todo o ano houve crescimento nas categorias relacionadas à informalidade, como conta própria e empregado sem carteira”, concluiu a analista Adriana Beringuy.

Subutilização, para baixo

Com índice de 23,3%, o IBGE registrou a queda de um ponto percentual na taxa de subutilização da força de trabalho em relação aos três meses anteriores. Na mesma comparação, houve uma queda de 4,2%, quanto ao índice da população subutilizada, que somou 26,6 milhões de pessoas.

Já a população desalentada (formada por aqueles que desistiram de procurar trabalho) ficou estatisticamente estável, em 4,7 milhões. O equivalente a 4,2% do total da população na força de trabalho ou desalentada. (Com informações do G1)

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS