Tina Turner, 80 anos, publica mensagens poderosas nas mídias sociais: ‘Como eu achei que estaria com 80 anos?’

Por LOUISE BEVAN
05 de Diciembre de 2019 Actualizado: 06 de Diciembre de 2019

A cantora icônica Tina Turner inspirou gerações com sua música e sua resiliência em uma carreira de seis décadas. Turner comemorou seu 80º aniversário em 26 de novembro de 2019 e fez uma pausa para refletir sobre as provações que atravessou e a força interior que cultivou.

A estrela foi às mídias sociais para celebrar um feliz aniversário de 80 anos. “Sim, eu tenho 80 anos”, começou Turner. “Como eu pensei que teria 80 anos? Não assim. Como é isso? Bem, estou ótima, me sinto bem, passei por algumas doenças muito graves que estou superando. Então, é como ter uma segunda chance na vida”.

Daniel J. Watts, Tina Turner e Adrienne Warren na noite de abertura do filme “Tina: The Tina Turner Musical” no Lunt-Fontanne Theatre, em Nova York, no dia 7 de novembro de 2019 (©Getty Images | John Lamparski)
Daniel J. Watts, Tina Turner e Adrienne Warren na noite de abertura do filme “Tina: The Tina Turner Musical” no Lunt-Fontanne Theatre, em Nova York, no dia 7 de novembro de 2019 (©Getty Images | John Lamparski)

Turner terminou com uma afirmação positiva: “Estou feliz por ser uma mulher de 80 anos”.

Um vídeo circulou logo depois, cheio de mensagens de amor e parabéns de uma variedade de rostos famosos. Ronnie Wood, Ringo Starr, Pete Townshend, Nile Rodgers e Deborah Cox estavam entre os que mais lhe parabenizaram.

Hoje, Turner reside no grandioso Chateau Algonquin, na Suíça, com seu marido alemão (eles se casaram em 2013), Erwin Bach. Ela está desfrutando completamente de seu décimo ano de aposentadoria.

“Eu estava cansada de cantar e de fazer todo mundo feliz”, disse Turner ao The New York Times. “Isso é tudo que eu já fiz na minha vida.”

O icônico legado musical de Turner continua vivo, apesar de sua aposentadoria; Tina: O musical Tina Turner, baseado na vida da estrela e repleto de inúmeros sucessos, chegou à Broadway. A produção de US $ 16,5 milhões foi inaugurada no Lunt-Fontanne Theatre em outubro de 2019, com a cantora Adrienne Warren fazendo o papel principal.

Turner com um casaco de pele ao chegar ao aeroporto de Heathrow, em Londres, Inglaterra, em 10 de fevereiro de 1978 (© Getty Images | Frank Tewkesbury)
Turner com um casaco de pele ao chegar ao aeroporto de Heathrow, em Londres, Inglaterra, em 10 de fevereiro de 1978 (© Getty Images | Frank Tewkesbury)

Enquanto Turner ensaiou com Warren pessoalmente, ela admitiu que revisitar certos aspectos de sua história pessoal era difícil. “Eu acho que tenho vergonha. Sinto que já contei o suficiente – disse Turner, referindo-se à sua própria experiência de violência doméstica.

“As pessoas pensam que minha vida foi dura, mas acho que foi uma jornada maravilhosa”, explicou a cantora a Marie Claire África do Sul em 2018. “Quanto mais você envelhece, mais percebe que não foi o que aconteceu, é como você lida com isso”.

(©Getty Images | Mark Mainz)

Turner enfrentou um relacionamento abusivo de 16 anos com seu ex-marido Ike Turner antes de reunir coragem para ir embora, sem um tostão, mas famosa.

Ela sofreu um derrame apenas três semanas depois de se casar com Bach em 2013. Mas a luta não terminou aí; Turner também teve câncer intestinal e doença renal nos anos que se seguiram aos 80 anos.

Turner teve um transplante de rim bem-sucedido, no entanto, quando Bach doou um de seus rins para sua esposa. A operação salvou a vida da cantora.

Turner com seu marido, Erwin Bach, na abertura dos 40 anos de Silos da Giorgio Armani e na recepção de coquetéis em Milão, Itália, em 30 de abril de 2015 (© Getty Images | Jacopo Raule)
Turner com seu marido, Erwin Bach, na abertura dos 40 anos de Silos da Giorgio Armani e na recepção de coquetéis em Milão, Itália, em 30 de abril de 2015 (© Getty Images | Jacopo Raule)

Através de inúmeras tragédias pessoais, uma carreira extraordinária e do encontro de sua alma gêmea mais tarde na vida, Turner continuou a inspirar gerações de fãs em todo o mundo.

“Não quero necessariamente ser uma pessoa forte”, refletiu Turner, falando ao The New York Times. “Eu tive uma vida terrível. Eu apenas continuei. Você continua e você espera que algo aconteça”.

O apelo pacífico de 25 de abril de 1999

TE RECOMENDAMOS