Trump defende que Israel proíba entrada de congressistas muçulmanas no país

Por Noticia de agencia
15 de Agosto de 2019
Actualizado: 15 de Agosto de 2019

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu nesta quinta-feira que Israel impeça a entrada de duas congressistas do Partido Democrata que são muçulmanas, Ilhan Omar e Rashida Tlaib.

“Israel mostraria uma grande fraqueza, se permitisse a visita das deputadas Omar e Tlaib. Elas odeiam Israel e todo o povo judeu. Não há nada que possa ser dito ou feito para que mudem de opinião”, escreveu o chefe de Estado, no perfil que mantém no Twitter.

Esta não é a primeira vez que Trump dispara contra as congressistas, que se elegeram nas últimas eleições legislativas dos Estados Unidos, e viraram as primeiras mulheres muçulmanas a chegar ao Congresso americano.

O pedido de Trump vem horas depois de começar a circular a informação que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, está avaliando proibir a entrada de Omar e Tlaib, devido o apoio de ambas à campanha Boicote, Desinvestimento e Sanções.

“Há uma possibilidade que Israel não permita a visita, no formato atual proposto”, afirmou uma fonte do governo israelense, que pediu para não ser identificada, à Agência Efe.

De acordo com as informações obtidas, Netanyahu se reuniu ontem com os ministros das Relações Exteriores, de Segurança Interna e de Interior, e também como o advogado-geral de Israel, para tomar uma decisão dentro da legislação do país.

Pouco antes das duas congressistas confirmarem a intenção de visitar Israel e a Palestina, o embaixador israelense em Washington, Ron Dermer, garantiu que o acesso ao país não seria negado, apesar do apoio de ambas ao boicote.

Omar, que nasceu na Somália e foi eleita por Minnesota; e Tlaib, que é filha de palestino e tem uma das avós vivendo na Cisjordânia, se elegeu congressista por Michigan.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS