Trump deixa cúpula do G7 vitorioso na guerra comercial com a China

Por Rafael Cañas, EFE
26 de Agosto de 2019
Actualizado: 26 de Agosto de 2019

BIARRITZ (França), 26 ago (EFE)- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deixa a cúpula do G7 nesta segunda-feira com uma vitória particular na guerra comercial com a China.

Depois de ver Trump incendiar as relações bilaterais na sexta-feira, ao anunciar a aplicação de novas tarifas sobre os produtos importados chineses e ameaçar a retirada de empresas americanas do país, o governo de Xi Jinping recuou e pediu o reinício das negociações de alto nível para solucionar a crise.

O recuo veio acompanhado de uma mensagem de paz. O vice-primeiro-ministro da China, Liu He, responsável pelas negociações, disse que seu país “se opõe firmemente a uma intensificação da guerra comercial” e que prefere ter um diálogo tranquilo com os Estados Unidos.

Embora tenha voltado a atacar as práticas da China no comércio internacional durante a cúpula do G7 em Biarritz, na França, Trump fez um aceno a Xi, que foi chamado na sexta-feira de “um dos principais inimigos dos Estados Unidos”, ao dizer que o presidente chinês é um “grande líder”.

Trump também afirmou que as conversas pedidas pela China podem começar muito em breve, mesmo se não houver qualquer garantia de que os dois países chegarão a um acordo para solucionar a guerra que se arrasta há quase um ano e meio.

O presidente americano não descartou adiar ou suspender as tarifas anunciadas contra os produtos chineses. Para Trump, a China quer voltar à mesa de negociação porque as ações da Casa Branca geraram a “perda de muitos empregos”. Segundo ele, Xi quer uma “solução sensata”, mas os EUA estão em uma “posição forte” para conseguir um acordo justo.

Apesar de a Casa Branca considerar a mensagem da China como uma vitória, Trump recebeu uma advertência do presidente da França, Emmanuel Macron, que chefiou a cúpula do G7: o acordo firmado entre os dois países deve ser “equilibrado para todos”.

“Nós estaremos atentos para proteger os interesses de todo o mundo”, disse Macron em nome daqueles que temem que China e EUA incluam exclusividades no acordo.

Os países-membros do G7 reconheceram que a China adotou práticas reprováveis, como a falta de respeito com a propriedade intelectual. E constatou que a Organização Mundial de Comércio (OMC) não foi eficaz em eliminar as barreiras colocadas por Pequim.

Macron avaliou que Trump se mostrou favorável a um acordo com a China e disse que o objetivo das negociações é garantir que as regras do comércio internacional sejam cumpridas.

A presidência do G7 passa agora para os Estados Unidos. Trump organizará a cúpula do grupo dos países mais ricos do mundo poucos meses antes de tentar a reeleição nas eleições presidenciais de outubro de 2020.

O principal desejo de Trump para o evento é o retorno da Rússia, expulsa do então G8 em 2014 após a anexação ilegal da Crimeia, região que pertence à Ucrânia.

“Acho que é melhor ter a Rússia dentro da barraca do que fora”, disse Trump em entrevista coletiva. Macron discordou e resumiu a posição de outros integrantes do grupo. “Enquanto a situação na Ucrânia não se solucionar, não é o momento de oficializar o retorno”, afirmou.

Trump defendeu abertamente realizar a cúpula de 2020 em um local que pertence a ele nos arredores de Miami, o Doral Trump National Miami Golf Resort, que, segundo ele, é um “local magnífico”.

Perguntado se a escolha não representa um problema ético, já que o uso de sua propriedade poderia gerar lucros econômicos a ele, Trump disse que não ganharia um centavo se a cúpula for realizada no resort, mas não deu mais detalhes sobre o caso.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS