Trump elogia bolivianos após renúncia de Evo Morales

“Esses eventos enviam um forte sinal aos regimes ilegítimos da Venezuela e da Nicarágua de que a democracia e a vontade do povo sempre prevalecerão. Agora estamos um passo mais perto de um hemisfério ocidental completamente democrático, próspero e livre”
Por PETR SVAB
12 de Noviembre de 2019 Actualizado: 12 de Noviembre de 2019

O presidente Donald Trump elogiou o povo boliviano por ter pressionado a demissão do presidente socialista Evo Morales, encerrando seu mandato de 14 anos após três semanas de intensos protestos.

Trump chamou a renúncia de “um momento significativo para a democracia no Hemisfério Ocidental” e criticou Morales por uma “tentativa de anular a constituição boliviana e a vontade do povo”.

Morales foi proibido de pleitear um quarto mandato sob a Constituição da Bolívia de 2009. Seu partido tentou mudar a regra, mas falhou em um referendo de 2016. No entanto, ele concorreu, depois que a Suprema Corte do país declarou que os limites de prazo eram inválidos sob um tratado internacional de 1969.

Morales renunciou em 10 de novembro depois que a Organização dos Estados Americanos (OEA) relatou irregularidades significativas nas eleições de 20 de outubro e depois de perder o apoio da polícia e do exército.

O general Williams Kaliman, comandante chefe do exército boliviano, pediu a Morales que se demitisse em 10 de novembro para “ajudar a restaurar a paz e a estabilidade”.

“Os Estados Unidos aplaudem o povo boliviano por exigir liberdade e o exército boliviano por cumprir seu juramento de proteger não apenas uma pessoa, mas a constituição da Bolívia”, disse Trump em comunicado datado de 11 de novembro.

“Esses eventos enviam um forte sinal aos regimes ilegítimos da Venezuela e da Nicarágua de que a democracia e a vontade do povo sempre prevalecerão. Agora estamos um passo mais perto de um hemisfério ocidental completamente democrático, próspero e livre. ”

Morales anunciou sua demissão de um local não revelado. Ele acusou seu rival eleitoral, Carlos Mesa, e o líder de protesto, Luis Fernando Camacho, de fazerem parte de uma conspiração e um “golpe” contra ele.

Seus aliados socialistas na América Latina, o presidente venezuelano Nicolás Maduro e o presidente eleito argentino Alberto Fernández, descreveram a medida como um “golpe de estado”. O governo nicaragüense, governado pelo líder da extrema esquerda Daniel Ortega, disse que “práticas fascistas” estavam em jogo durante a renúncia de Morales.

O presidente conservador brasileiro Jair Bolsonaro escreveu “Um ótimo dia” no Twitter, em uma aparente referência aos eventos na Bolívia.

Nova escolha

A partida de Morales foi marcada por celebrações generalizadas no país da América Central sem litoral, lar de aproximadamente 11 milhões.

As pessoas participam de uma marcha convocada por comitês civis para protestar contra os resultados das eleições, em Santa Cruz, Bolívia, em 27 de outubro de 2019 (DANIEL WALKER / AFP via Getty Images)
As pessoas participam de uma marcha convocada por comitês civis para protestar contra os resultados das eleições, em Santa Cruz, Bolívia, em 27 de outubro de 2019 (DANIEL WALKER / AFP via Getty Images)

No entanto, alguns aproveitaram o caos como uma oportunidade de saquear e queimar negócios.

“As pessoas estão tentando causar o caos”, disse Edgar Torrez, um administrador de empresas de 40 anos da capital, La Paz, dizendo que políticos e criminosos estavam se aproveitando da situação.

Segundo a lei boliviana, o chefe do Senado normalmente assumiria o cargo provisoriamente. No entanto, a presidente do Senado, Adriana Salvatierra, também renunciou em 10 de novembro, assim como muitos aliados de Morales no governo e no Parlamento.

Segundo a constituição boliviana, outra fila para a presidência é a segunda vice-presidente do Senado, Jeanine Añez, membro do partido da União Democrática da oposição e senadora do departamento de Beni nas terras baixas do nordeste do país.

Añez voou para La Paz, dizendo que estava disposta a assumir. Ao chegar ao aeroporto de El Alto, ela foi recebida por um helicóptero da Força Aérea para levá-la a uma academia militar antes de viajar para o Congresso, disse outro senador.

“Se eu tiver o apoio daqueles que realizaram esse movimento pela liberdade e pela democracia, vou aceitar o desafio, apenas para fazer o que for preciso para convocar eleições transparentes”, disse Añez.

Discursando sobre a crise com lágrimas nos olhos ela disse que o Senado tentará realizar uma sessão em 12 de novembro e instou os membros do partido do Movimento Socialismo de Morales (MAS) a encontrar uma solução constitucional e um presidente interino.

A renúncia de Morales ainda deverá ser aprovada pela Assembléia Legislativa, convocada pelas duas casas do Congresso. Isso poderá demorar até pelo menos 13 de novembro, depois que a Câmara dos Deputados ter informado que suspenderia uma reunião planejada para 12 de novembro, já que alguns de seus membros não puderam chegar a La Paz, citando “força maior” e insegurança.

Protestos

Os protestos contra Morales começaram logo após as eleições. Resultados preliminares mostraram que Morales não tinha a vantagem exigida de 10 pontos sobre o Mesa e que uma segunda rodada eleitoral estava em andamento. No entanto, na noite de 20 de outubro, o governo parou de atualizar os resultados. Quando as atualizações foram retomadas 24 horas depois, Morales tinha uma vantagem de 10,12%, o que o tornou o vencedor.

Em 6 de novembro, a oposição publicou um relatório de 190 páginas, alegando fraude, incluindo alguns locais que relataram mais votos para Morales do que  eleitores registrados.

Forças policiais foram vistas participando dos protestos antigovernamentais, enquanto o exército disse que não “enfrentaria o povo” por causa do problema.

Quatro dias depois, a OEA informou que encontrou “manipulações claras” do sistema de votação.

“As manipulações dos sistemas de computadores são de tal magnitude que o Estado boliviano deve investigá-las minuciosamente para chegar à raiz e atribuir responsabilidades neste caso grave”, afirmou o relatório preliminar da OEA.

Mandato de Morales

Morales é conhecido por inflamar a retórica contra o “imperialismo dos Estados Unidos” e por nacionalizar as abundantes reservas de gás natural da Bolívia ao assumir o cargo em 2006. Ele também foi criticado por outros esquerdistas por não ser socialista o suficiente, como permitir que empresas estrangeiras permaneçam no país e atuem como prestadores de serviços para a indústria de gás.

As exportações de gás continuaram sua tendência ascendente anterior nos primeiros anos do governo de Morales, beneficiando-se dos altos preços do gás. As receitas permitiram ao governo subsidiar os preços dos combustíveis e aumentar substancialmente os gastos públicos. A taxa de pobreza em massa – quase metade da população que vive com menos de US $ 5,50 por dia em 2006 – caiu pela metade nos primeiros anos com Morales. No entanto, a taxa já estava caindo em um ritmo semelhante desde seu pico em 2000, refletindo mais ou menos o crescimento das exportações de gás do país. Quando os preços do gás caíram, a expansão parou em 2015 e as exportações recuaram um pouco desde então. A taxa de pobreza estagnou praticamente desde 2014, junto com as receitas do governo. No entanto, os gastos públicos continuaram a aumentar, levando a um aumento acentuado da dívida nacional.

A Human Rights Watch (HRW) e a Anistia Internacional já haviam denunciado o histórico de direitos humanos de Morales.

“Morales criou um ambiente hostil para os defensores dos direitos humanos que prejudica sua capacidade de trabalhar de forma independente”, afirmou a HRW em uma atualização anual de 2019.

De acordo com a Anistia Internacional, “Morales e seu ministro do governo, Carlos Romero, acusaram publicamente e ameaçaram seus defensores de direitos humanos e organizações críticas com suas políticas, demonizando-os e dificultando seu importante trabalho”.

Jack Phillips e Reuters contribuíram para este relatório.

*********

Assista também:

A verdadeira vocação do CEO da Telecom

 

TE RECOMENDAMOS