Turquia quer “restaurar califado original” e ameaça antigas aldeias cristãs

Plano de Erdogan seria conquistar partes da Grécia, Síria e Iraque
05 de Noviembre de 2019 10:01 AM Actualizado: 05 de Noviembre de 2019 10:01 AM

Por Gospel Prime

As forças jihadistas apoiadas pela Turquia continuam seu ataque em áreas estratégicas do nordeste da Síria, mesmo após as reivindicações de um cessar-fogo.

Diante disto, as minorias religiosas, incluindo cristãos, estão sendo atacados o que para muitos trata-se de um primeiro passo no sonho de Recep Tayyip Erdogan de estabelecer uma Turquia maior, avançando pelo nordeste da Síria.

Se isso acontecer, seria a retomada do “califado original”. Acontece que nesta região é onde várias aldeias cristãs estão localizadas, pessoas que falam aramaico, a mesma língua falada por Jesus.

Leia também:
Erdogan cobra apoio da UE ao projeto de reassentamento de refugiados sírios

Alguns acreditam que os líderes da Turquia planejam reivindicar mais território na região.

Recentemente, o ministro da Defesa da Turquia publicou um mapa em sua mídia social que mostra territórios da Grécia, Síria e Iraque como parte de uma grande Turquia.

O mapa reflete o Pacto Nacional Otomano de 1920, que inclui terras que a Turquia acredita que merecia no final da Primeira Guerra Mundial.

Ambos os mapas incluem as cidades iraquianas de Erbil, Mosul e o território rico em petróleo de Kirkuk.

“Sua intenção aberta é restaurar o califado original que foi dissolvido em 1924”, disse Dalton Thomas, da Frontier Alliance International à CBN News.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.