Asteroide gigante passa hoje próximo à Terra

Por Epoch Times
28 de Agosto de 2019
Actualizado: 29 de Agosto de 2019

Um asteroide de bom tamanho, o 2011 OU1, com 76 por 150 metros de diâmetro, está passando hoje, 28 de agosto de 2019, perto do nosso planeta, mais precisamente a menos de três luas de distância, enquanto é monitorado por astrônomos.

Este corpo rochoso foi observado pela primeira vez em 25 de julho de 2019, quando se aproximava da Terra em sua rotação ao redor do Sol.

O asteroide viaja a 13 quilômetros por segundo de velocidade, de acordo com o registro de Near Earth Object (NEO) da Estação Espacial Européia (ESA).

É considerado um Objeto Próximo à Terra (NEO), cuja lista inclui cometas e asteroides que foram empurrados pela atração gravitacional de planetas próximos para órbitas que lhes permitem entrar na vizinhança da Terra.

A órbita do asteroide o aproxima da Terra em 28 de agosto de 2019 (NEO / JPL / NASA)

A aproximação máxima do asteroide OU1 de 2019 com relação à Terra será às 10:36, de 28 de agosto de 2019, quando fica a pouco mais de um milhão de quilômetros de distância, informa o arquivo NEO da NASA. É uma medida segura durante o curso.

Às 18:48 de hoje, porém, terá sua aproximação máxima à Lua, a uma distância similar.

Depois, este corpo rochoso seguirá uma órbita que o levará para uma distância mais longe do que o planeta Marte.

Nenhuma nova abordagem para o asteroide 2019 OU1 é esperada para a Terra até 2080, de acordo com o Laboratório de Propulsão da NASA.

Acredita-se que os asteroides rochosos que orbitam perto da Terra se formaram no sistema solar interior entre as órbitas de Marte e Júpiter. Eles são os fragmentos remanescentes da aglomeração inicial dos planetas internos que incluem Mercúrio, Vênus, Terra e Marte.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS