Vai ter Brexit sim! Reino Unido deixará União Europeia em 31 de janeiro

Câmara Comum aprova em definitivo acordo de Boris Johnson. Haverá Brexit, haverá badalar do Big Ben e haverá festa
Por Andre Assi Barreto, Senso Incomum
10 de Enero de 2020
Actualizado: 10 de Enero de 2020

Contrariando – mais uma vez – os analistas que vêm errando tudo nos últimos anos, o eleitorado britânico não mudou de ideia sobre o Brexit. O que faltava era um parlamento renovado e disposto a concretizar a vontade popular referendada em 2016.

A Câmara dos Comuns aprovou ontem (9) o acordo do primeiro-ministro Boris Johnson. E isso nem é o mais importante: com peso de lei, as negociações para o período de transição não poderão se estender além de 31 de dezembro de 2020, caso até lá não tenha ocorrido acordo entre Reino Unido e burocratas europeus em Bruxelas, o país deixará o bloco sem acordo. É sair ou sair.

Acordo foi aprovado pelo placar de 330 a favor e 231 contra. Números devem ser ratificados pela Câmara dos Lordes:

Leia também:
Parlamento do Reino Unido aprova acordo do Brexit em votação

E tem mais. O Big Ben, grande ponto turístico de Londres, inoperante para manutenções há alguns anos, deve badalar no dia 31 de janeiro em comemoração à saída:

Nigel Farage já está disponibilizando ingressos para as comemorações:

Andre Assi Barreto é professor de Filosofia e História das redes pública e privada de São Paulo. Aluno do professor Olavo de Carvalho. Mestre em Filosofia pela Universidade de São Paulo. Também trabalha com revisão, tradução e palestras. Autor de “Saul Alinsky e a Anatomia do Mal” (ed. Armada, 2019)

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não representa necessariamente a opinião do Epoch Times

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS