Vídeo emocionante revela idoso de 93 anos cantando para sua esposa moribunda de 73 anos

Por ROBERT JAY WATSON
17 de Diciembre de 2019
Actualizado: 29 de Diciembre de 2019

Como uma linguagem verdadeiramente universal, a música tem o poder de conectar pessoas através de culturas e idades, reunindo gerações diferentes e criando memórias duradouras. E esse momento não poderia ter sido ilustrado melhor quando um ente querido cantou para um membro da família, para confortá-la no momento final de sua vida.

Um desses momentos foi capturado em um vídeo e foi amplamente compartilhado, mostrando Howard “Harry” Serena, 93 anos, cantou para sua esposa de 73 anos, Laura, enquanto ela estava deitada na cama em cuidados paliativos na Flórida.

Apesar da doença e cegueira de Laura, além com as próprias dificuldades auditivas e problemas de mobilidade de Harry, os dois conseguem recriar memórias passadas com uma música simples: “Você nunca saberá”, como interpretado por Rosemary Clooney.

O vídeo foi feito pela família e postado online pela neta Erin Solari, tocando milhões de pessoas pelas almas gêmeas. Solari escreveu: “Nossa família prefere esta versão porque todos sempre diziam que a avó tinha uma voz como a de Clooney”.

Harry e Laura se conheceram e se apaixonaram em Chicago, Illinois. Harry serviu nas Forças Armadas durante a Segunda Guerra Mundial, o que acrescenta um nível extra de significado à música deles. A música apareceu originalmente no filme de guerra “Olá, Frisco, Olá” e foi cantada por Alice Faye, que interpretou uma noiva de guerra esperando o soldado voltar para casa. Laura também se sentiu confortada por essa música quando o marido estava lutando do outro lado do mundo.

Erin Solari escreveu uma comovente mensagem na legenda do vídeo, no YouTube:

“Nas reuniões de família, não era incomum os dois cantarem essa música juntos, cada um pegando um verso e cantando o outro. De fato, após cinquenta anos de casamento, eles renovaram seus votos e cantaram essa música como um dueto para toda a família[…]

“Momentos antes do início do vídeo, quando a vovó soube que o vovô estava na sala, ela perguntou se poderia segurá-lo. O vovô não pode ficar sozinho, mas ele imediatamente puxou a cadeira de rodas para perto da cama dela, pronta para fazer isso acontecer. Minha prima, Serena, que é fisioterapeuta, o ajudou a se levantar e o segurou durante toda a música. ”

A serenata de Harry sobre o amor de sua vida teve claramente o efeito pretendido. “Ele não é doce?” Diz ela para a câmera. “Ele gosta de mim!” No final da música, Harry, que foi mantido por um dos primos de Erin, que é fisioterapeuta, finalmente se senta em sua cadeira de rodas, mas não antes de dar um beijo em Laura.

A resposta maciça ao vídeo na internet surpreendeu Solari e sua família. E ela acrescentou:

“Depois de postar este vídeo no Facebook, ele começou a se tornar viral e todo o sentimento de amor levantou o ânimo de todos … inclusive da avó! Eles originalmente deram a ela apenas uma semana para viver, mas o hospício acabou por considerá-la bem o suficiente para voltar para casa e viver os dias restantes ”

https://vs.youmaker.com/assets/player/dd11b1f3-14ff-40e0-74c9-8545915d6dcd?r=16×9&s=1280×720&d=209

Vários meses depois que o vídeo foi postado, Harry e Laura faleceram, com apenas cinco dias de diferença. “Nossa família sente muita falta deles e se lembra deles com frequência!”, escreveu Solari.

Além do vídeo, que recebeu mais de 15 milhões de visualizações no YouTube, o casal deixou para trás 9 filhos, 18 netos e 12 bisnetos.

Acima de tudo, eles deixaram para trás um legado de amor e música que sempre tocará no coração dos membros da família quando pensarem em Harry e Laura.

Crédito de vídeo: Jukin Media

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS