Você está acima do peso? A indústria alimentícia espera que sim

Embora a obesidade não deva ser motivo de vergonha, ela não deve ser aceita como o novo normal, como os gigantes alimentares esperam
30 de Noviembre de 2019
Actualizado: 30 de Noviembre de 2019

Por Martha Rosenberg

Com o final de ano se aproximando, ninguém quer pensar em controlar o peso. Certamente ele aumentará e não diminuirá antes da chegada de 2020. As pessoas provavelmente só vão começar a pensar em seu peso em 2 de janeiro e aí talvez comecem a frequentar a academia.

É verdade que nos Estados Unidos e em outros lugares as pessoas nunca foram tão gordas. O homem americano médio hoje pesa 87 quilos e a mulher média  quilos. O aumento da obesidade levou à criação de ambulâncias de tamanho especial, mesas de operação e caixões, além de assentos maiores em aviões e trens.

Mas não é inteiramente culpa das pessoas elas estarem com sobrepeso. Se as pessoas são viciadas em junk food e fast food com excesso de gordura, açúcar e sal, não é por coincidência. Esse é exatamente o plano dos fabricantes e comerciantes de junk food e fast food.

Leia também:
Obesidade: fatores psicológicos que levam a engordar

Por exemplo, “tecnólogos em alimentos” usam dispositivos de US$ 40 mil que simulam uma boca mastigando para testar e aperfeiçoar batatas fritas. “As pessoas gostam de batata que se rompe com cerca de dez quilos de pressão por polegada quadrada”, disse Michael Moss, autor de Salt Sugar Fat: Como os gigantes da comida nos viciam, então os tecnólogos em alimentos procuram o ponto Inflexão perfeito.

“O tempo de mastigação” foi reduzido, diz outro especialista em alimentos. “Costumávamos comer alimentos que mastigávamos 15 vezes, 20 vezes e 30 vezes antes de engolir”, diz Gail Vance Civille, da empresa de pesquisa de consumidores Sensory Spectrum. “Agora, raramente há comida, além de doces e mastigáveis, que você precisa mastigar mais de 12 vezes antes que acabe.”

Contribui para essa epidemia de obesidade a onipresença dos próprios lanches. Houve um tempo em que lanches não estavam disponíveis em bancos, livrarias, lojas de ferragens e hospitais porque as pessoas raramente comiam entre as refeições. Quando alguns europeus que visitavam um shopping nos Estados Unidos viram pessoas na praça de alimentação comendo salgadinhos às 10:30 da manhã, perguntaram: “Que comida é essa?”. Esta aí uma boa pergunta.

O grande tamanho das refeições, recargas gratuitas de bebidas e buffets para comer de tudo agravam o problema da obesidade, bem como o aumento do tamanho das roupas, roupas folgadas e calças flácidas. (Mais de 100 anos atrás, nossos ancestrais chamaram o cós elástico de “playground do Diabo” pelo mesmo motivo. A medida justa das roupas nos mantinha com o peso correto.)

Além da epidemia de obesidade, a troca que os agricultores dos EUA fizeram para o xarope de milho com alto teor de frutose, etanol à base de milho e óleo de milho parcialmente hidrogenado fez com que todo mundo engordasse.

Finalmente, o peso é tão relativo que, se os amigos pesam 77 quilos, o que se vê com mais e mais frequência, uma mulher que pesa 72 quilos pode até se sentir “magra”.

Os principais meios de comunicação deploram o sentimento de “vergonha da gordura” quando alguém, geralmente uma mulher, é motivo de piada por estar com excesso de gordura em seu corpo. O movimento pela aceitação da gordura incentiva esses sentimentos. Embora seja compreensível o impulso de desestigmatizar as pessoas com sobrepeso quando apresentam doenças e deficiências, ninguém “nasce” gordo. Além disso, a comida pode ser viciante, mas, assim como os cigarros, as pessoas podem parar de fumar e elas o fazem.

A obesidade coloca as pessoas em alto risco de câncer, doenças cardíacas, acidente vascular cerebral, hipertensão, diabetes tipo 2, doença da vesícula biliar, apneia do sono, osteoartrite e dor crônica, e aumenta os custos de saúde de todos. (Isso também dá muito dinheiro para os fabricantes de medicamentos que tratam as muitas condições que causam). Embora a obesidade não deva ser motivo de vergonha, ela não deve ser aceita como o novo normal, como os gigantes alimentares esperam.

Martha Rosenberg é autora da exposição sobre alimentos “Nascido com deficiência graças à junk food“, distribuída pela Random House. Ela é uma muckraker conhecida nacionalmente, deu palestras em universidades e escolas de medicina e já se apresentou no rádio e na televisão

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não representa necessariamente a opinião do Epoch Times

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS