A diferença entre Venezuela e Bolívia é a inteligência cubana por trás de Maduro, diz Abrams

Além de Cuba, Abrams também mencionou a China, por permanecer como aliada do regime de Nicolás Maduro
14 de Noviembre de 2019 Actualizado: 14 de Noviembre de 2019

Por Anastasia Gubin, Epoch Times

O enviado especial dos EUA para a Venezuela, Elliott Abrams, disse na quarta-feira que a diferença entre Venezuela e Bolívia são os cubanos que apóiam Nicolás Maduro, fato que dificulta a democracia na nação bolivariana.

“A diferença entre Bolívia e Venezuela é a presença da inteligência de Cuba dentro do regime. Não há inteligência na Bolívia e é por isso que o exército teve a oportunidade de defender seu povo ”, explicou Abrams em 13 de novembro na reunião do Caucus para a Democracia na Venezuela, segundo a imprensa.

Na iniciativa bipartidária que reuniu os legisladores da Câmara dos Deputados dos EUA, Abrams disse que a inteligência cubana tem sido um obstáculo para as Forças Armadas Bolivarianas se rebelem contra Maduro.

Leia também:
Marco Rubio pede a reis da Espanha que sua visita a Cuba não seja um “presente para o regime cubano”

Por outro lado, ele destacou o fato de Maduro estar usando coletivos para atacar a população, já que a Guarda Nacional Bolivariana estaria se recusando a fazê-lo.

Segundo Abrams, a família militar está sofrendo com a crise e a maioria não está satisfeita com as condições do país, segundo relatório do Diario Las Américas.

Ele também observou que o regime de Maduro continua dando ao regime de Castro o petróleo que é um bem do Estado e de seus cidadãos.

“A Venezuela não deve pagar a Cuba ou a qualquer outro”, diz o Diario Las Américas.

O enviado americano também indicou que, embora a democracia na Venezuela não tenha retornado”, a oposição permanece unida e o governo interino continua”, referindo-se ao governo do presidente encarregado Juan Guaidó, apoiado por mais de 50 países das Nações Unidas.

Além de Cuba, Abrams também mencionou a China, por permanecer como aliada do regime de Nicolás Maduro.

Em resposta às alegações de Pequim de que seu relacionamento é puramente comercial, ele pediu que parassem de apoiá-lo.

“Nossa mensagem para os chineses é que eles podem fazer um acordo comercial sem precisar apoiar Maduro”, disse ele.

O grupo Caucus para a Democracia da Venezuela expressou seu total apoio ao plano do presidente encarregado, Juan Guaidó, sobre a cessação da usurpação no poder por Maduro, a criação de um governo de transição e, finalmente, as eleições democráticas.

O encontro contou com a presença de Carlos Vecchio, embaixador de Guaidó nos Estados Unidos, que agradeceu “o compromisso americano com a verdadeira democracia na Venezuela”.

A democrata Debbie Wasserman-Schultz, uma das promotoras da iniciativa, disse que ela e seus colegas do Caucus continuarão “pressionando” a partir de Washington para obter uma “mudança imperativa” na Venezuela, informou a agência EF

“É totalmente errado o que está acontecendo lá. Maduro está mantendo seu próprio povo morrendo de fome”, disse a congressista.

Em certa ocasição, Wasserman-Schultz foi levemente agredida por um membro do coletivo Code Pink, que trabalha no apoio a Maduro, enquanto apresentava a iniciativa nas proximidades do Capitólio.

TE RECOMENDAMOS