Após novas acusações de abusos, julgamento de Weinsten é adiado para janeiro

Por EFE
26 de Agosto de 2019
Actualizado: 26 de Agosto de 2019

NOVA IORQUE, 26 ago (EFE) – O julgamento de Harvey Weinstein foi adiado nesta segunda-feira para o dia 6 janeiro, após o juiz encarregado do caso ter aceitado novas acusações de abusos sexuais supostamente cometidos pelo produtor cinematográfico.

Com início previsto para 9 de setembro, o julgamento foi adiado para que os advogados do produtor de Hollywood tenham mais tempo. Ao todo, a defesa terá 45 dias para responder às novas acusações feitas nesta segunda-feira pela atriz Annabella Sciorra, conhecida por interpretar Gloria Trillo na série “Família Soprano”.

A advogada do produtor Donna Rotunno afirmou à imprensa, após a audiência em um tribunal de Nova Iorque, que a equipe de defesa terá um mês e meio para responder. Depois, a promotoria deverá contra-argumentar o que for apresentado, antes que o juiz tome uma decisão final.

Diante do juiz, o produtor, que entrou nos tribunais algemado e saiu com as mãos livres, se declarou “inocente” das novas acusações recebidas.

Até o momento, Weinsten responde às acusações de estupro em um hotel de Manhattan em 2013 e de fazer sexo oral de maneira forçada em 2006, processos abertos por mulheres que permanecem no anonimato.

Na semana passada, a defesa do produtor solicitou que o julgamento não seja realizado na cidade de Nova Iorque, mas em “qualquer outro condado” do estado, para garantir que o processo seja “justo”. Os advogados consideram que a pressão midiática pode afetar a avaliação dos membros do tribunal.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS