Bolsonaro defende soberania da Amazônia e liberdade religiosa na ONU (Vídeo)

Presidente também agradeceu a Deus e disse que está vivo por “um milagre”
Por Michael Caceres, Gospel Prime
24 de Septiembre de 2019 3:47 PM Actualizado: 24 de Septiembre de 2019 3:47 PM

O presidente Jair Bolsonaro discursou na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) desta terça-feira (24), denunciando o avanço do socialismo na América Latina e defendendo a soberania da Amazônia em território brasileiro.

Na abertura de seu discurso, o presidente da República falou sobre o programa Mais Médicos, que era usado para enviar dinheiro para o regime comunista cubano. Bolsonaro destacou que os médicos que decidiram permanecer no Brasil seriam submetidos a exame de qualificação.

Em seguida, o presidente falou sobre a soberania da Amazônia, criticando os ataques internacionais por conta de reportagens que classificou como “sensacionalistas”.

Jair Bolsonaro afirmou que “é uma falácia dizer que a Amazônia é patrimônio da humanidade” e lembrou que é mentira que a floresta tropical é o “pulmão do mundo”, como foi dito por autoridades de alguns países.

O presidente desmentiu a informação de que a “Amazônia está queimando”, como foi divulgado por vários veículos de imprensa, destacando o compromisso do país com a preservação do meio ambiente.

Ele também falou sobre a liberdade religiosa e a importância da defesa dos direitos de manifestação de crença e livre pensamento.

Bolsonaro destacou ainda os diversos acordos mundiais que o Brasil tem promovido com as nações da ONU em vários campos, como tecnologia, comércio, ciências, entre outros.

Durante discurso o presidente da República falou sobre as ideologias que tentam destruir valores e atacar a família, além de promover o ódio e o politicamente correto.

Assista:

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.