CEO da StemExpress admite vender corações vivos e cabeças intactas de bebês abortados

Principais executivos e médicos da Planned Parenthood estão intermediando peças de bebês abortados
Por VENUS UPADHAYAYA
09 de Septiembre de 2019 Actualizado: 09 de Septiembre de 2019

O CEO da StemExpress disse a um tribunal de São Francisco em cinco de setembro que a empresa intermediou corações fetais e cabeças fetais intactas para pesquisadores médicos.

A admissão ocorreu durante o processo judicial da ação da Planned Parenthood contra os investigadores, David Daleiden e Sandra Merritt, que fizeram uma operação secreta que confirmou que os principais executivos e médicos da Planned Parenthood estão intermediando peças de bebês abortados.

Daleiden e Merritt são os réus no caso e são os principais investigadores que expuseram as supostas negociações da Planned Parenthood e da StemExpress.

A dupla representa o Center for Medical Progress (CMP), um grupo de jornalistas cidadãos “dedicados a monitorar e reportar sobre ética e avanços médicos”. Eles estão enfrentando 14 acusações de invasão criminosa de privacidade, informou a revista conservadora The Federalist.

Ambos são acusados ​​de se apresentarem como representantes da empresa de compras de tecidos BioMax, a fim de entrar em conferências médicas e centros de saúde para os fins de sua investigação. A dupla usou pseudo-nomes para participar das reuniões da Federação Nacional do Aborto (NAF) em 2014 e 2015 para gravar os procedimentos em vídeo, segundo o Christian Post.

Na quinta-feira, o representante do StemExpress Doe 12 admitiu no tribunal que a cabeça do bebê poderia estar presa ao corpo ou “poderia ser arrancada” no momento da compra.

Em uma atualização resumida dos procedimentos de julgamento apresentados no Twitter, o CMP mencionou a declaração Doe 12 no tribunal: “Quando o @StemExpress ‘Doe 12 é perguntado sobre a cabeça de um bebê sendo anexada ao corpo após a compra de tecidos, a Doe 12 diz que as fotos do CMP são precisas e mostram que as cabeças às vezes estão presas e outras não a outras partes do corpo”.

Após os procedimentos do primeiro dia na terça-feira, Daleiden havia declarado em comunicado: ” Os provedores de aborto para a Planned Parenthood apareceram sob juramento no tribunal hoje e admitiram fornecer partes do corpo de crianças no útero a corretores com fins lucrativos como o StemExpress”.

A CMP havia acusado o StemExpress de violar as políticas da FedEx em um vídeo divulgado em 28 de novembro de 2017.

“Em um novo vídeo, um denunciante do atacadista de tecidos fetais StemExpress conta como a empresa enviou partes do corpo dos abortos da Planned Parenthood sabendo da violação das políticas da FedEx”, disse o CMP.

O Epoch Times procurou o CMP para comentar, mas não recebeu uma resposta imediata.

Peter Breen, da Thomas More Society, que representa Daleiden na corte, disse ao Life Site News que a admissão do CEO da StemExpress é “grotesca”.

“Se você tem um feto com uma cabeça e um corpo intactos, e extremidades intactas, isso é algo que indica que a criança nasceu viva e que depois teve seus órgãos cortados ou que a criança foi vítima de um aborto ilegal por nascimento parcial”, afirmou.

“Ambos são atos horríveis e violentos”, disse Breen. A Thomas More Society não respondeu imediatamente ao pedido de comentário do Epoch Times.

O StemExpress e a Planned Parenthood no norte da Califórnia são atualmente objeto de investigações do FBI e do Departamento de Justiça “por vender órgãos e tecidos fetais contra a lei”, disse o CMP em um resumo.

Siga Venus no Twitter: @venusupadhayaya

TE RECOMENDAMOS