Chega da velha prática de acobertamento de malfeitos dos políticos

Diante de decisões polêmicas proferidas por membros do STF, faz-se necessária, para salvaguardar a respeitabilidade do Judiciário, que este seja objeto de investigação pelo Senado Federal, o mesmo órgão responsável pela aprovação de seus ministros
Por Júlio César Barroso, Instituto Liberal
21 de Septiembre de 2019
Actualizado: 21 de Septiembre de 2019

Intensificam-se as divergências internas no PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, em relação à CPI da Lava-Toga, que tem por objetivo investigar o “ativismo judicial”, principalmente no Supremo Tribunal Federal.

Nesta segunda-feira (16), o líder do partido Major Olímpio (PSL-SP) pediu a saída de Flávio Bolsonaro da sigla. “Nós representamos a bandeira anticorrupção do presidente. Eu tentei convencê-la (senadora Juíza Selma, de saída para o Podemos) a ficar e resistir conosco. Quem tem que cair fora do PSL é o Flávio, não ela. Gostaria que ele saísse hoje mesmo”, disse ao jornal O Estado de S.Paulo.

Quem tem rabo preso e sujo que aguente as consequências. O que não pode é continuar a velha prática de acobertamento de malfeitos dos políticos.

Se há crítica e desejo de punição dos demais políticos indecorosos, que se locupletam com o dinheiro público, por que o senador Flávio Bolsonaro, com a sua atuação política no RJ comprometida com as denúncias do Coaf, tem que ser protegido com o beneplácito do ministro do STF, Dias Toffoli, que suspendeu provisoriamente a investigação do senador por corrupção?

Quem tem de deixar o partido é o próprio senador Flávio Bolsonaro, que está maculando a imagem do PSL e comprometendo também a imagem do presidente da República, e não a senadora Selma Arruda.

Não se trata de pretender atingir a governabilidade presidencial ao exigir-se que tenha curso e julgamento justo o envolvimento de Flávio Bolsonaro com o episódio do Coaf, que detectou dinheirama suspeita na conta de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador.

Trata-se apenas de a sociedade querer ver seguir uma investigação sem intervenção do STF, ou de quem quer que seja. Pois sempre a sociedade escuta a encardida tese de que a União não tem recursos para atender plenamente aos setores da saúde, educação, segurança etc., mas, contraditoriamente, os recursos existem e continuam a jorrar para forrar as meias, as cuecas, os bolsos e custear a opulência e boa vida de políticos.

Se desejamos punição legal, por exemplo, aos políticos de partidos de esquerda que cometeram ou venham a cometer atos indecorosos na vida política, não podemos aceitar, de outra forma, que elementos do PFL ou de partidos não alinhados à esquerda sejam beneficiados pela não investigação e punição de seus atos.

Assim, diante de decisões polêmicas proferidas por membros do STF, faz-se necessária, para salvaguardar a respeitabilidade do Judiciário, que este seja objeto de investigação pelo Senado Federal, o mesmo órgão responsável pela aprovação de seus ministros.

Júlio César Cardoso é Bacharel em Direito e Servidor federal aposentado

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não representa necessariamente a opinião do Epoch Times

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS