Cubano é demitido por postar foto de seu almoço no Facebook e compará-la com Chernobyl

A difícil situação econômica em Cuba é conhecida há muitos anos e agora parece que o país entrou em uma nova etapa de exacerbação da escassez de alimentos
Por PACHI VALENCIA
18 de Septiembre de 2019
Actualizado: 18 de Septiembre de 2019

Um garoto de 27 anos foi demitido de seu emprego em uma empresa de telecomunicações cubana depois de postar uma foto criticando o almoço que deram aos trabalhadores locais em 5 de setembro.

“Trabalho das 8:00 às 17:30 de segunda a sexta-feira e esse é o único“ alimento” que recebemos todos os dias, às vezes mal e às vezes pior. Onde eu trabalho? Em Chernobyl … ahh, não na ETECSA ”, escreveu no Facebook Dennis Reyes Gomez, que trabalha como técnico em administração econômica na Companhia de Telecomunicações de Cuba (ETECSA).

Na foto você pode ver uma bandeja com uma tigela de sopa, uma porção de arroz, um pão,  quatro almôndegas e um refrigerante.

“Eles dão repulsa aos estudantes da universidade. É por isso que voto não e é por isso que quero uma mudança no sistema. 60 anos para esse lixo”, afirmou um dos comentários da publicação, que desencadeou milhares de críticas contra a situação atual em Cuba.

Uma semana depois, o diretor central da Divisão de Execução de Projetos e Obras, Roberto Fernández Díaz, enviou uma declaração ao jovem informando-o de sua demissão e uma sanção de quatro anos sem poder voltar a trabalhar na empresa.

Na carta, a empresa afirma que a foto e o comentário de Reyes “agregam diretamente a imagem e o prestígio da Companhia (…), em meio às condições adversas impostas pelos inimigos da Revolução”.

“Para este ‘documento’ cheio de mentiras, trotes, calúnias e palavras sem sentido, sou notificado da sanção que me é aplicada no meu local de trabalho, que é a separação definitiva, violando claramente o meu direito à liberdade de expressão e colocando por sua parte, na prática, o elemento sujo da repressão”, postou Dennis Reyes no Facebook em 12 de setembro.

No documento, a empresa estatal baseia a demissão de Reyes na Lei de Responsabilização e Obrigações pelo Uso da Tecnologia da Informação, uma ferramenta do regime cubano para “forçar os trabalhadores a serem porta-vozes da política do Partido Comunista”, de acordo com Mario J. Pentón del Nuevo Herald.

Da mesma forma, a carta critica o ex-funcionário por concordar com os “duros comentários difamatórios da [ETECSA]” em sua publicação e que, segundo a empresa do regime, “demonstram uma filiação da parte deles”.

Por sua parte, Dennis Reyes disse que a resposta da ETECSA “apenas demonstra que eles são descarados e oportunistas que vivem apenas do trabalho e do que isso lhes proporciona”.

Segundo o jornal Nuevo Herald, Reyes tem a possibilidade de apelar da decisão.

A difícil situação econômica em Cuba é conhecida há muitos anos e agora parece que o país entrou em uma nova etapa de exacerbação da escassez de alimentos.

Em 10 de maio, o Ministério do Comércio Interno (Mincin) daquele país anunciou que, antes da escassez, é necessário regular e controlar a venda de certos produtos, disse a ministra Betsy Díaz Velázquez a repórteres, segundo Cubadebate.

Mercadorias como ovos, arroz, feijão, ervilhas e salsichas serão comercializadas nas vinícolas e açougues de produtos regulamentados.

Sabe-se também que no país há um livro de racionamento de alimentares por muitos anos para esses produtos regulamentados, ou de quantidade limitada, e que o estado comunista chama de subsidiado.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS