Documento revela últimos planos do Sendero Luminoso para o Peru

O grupo ainda está de pé e continua com ambições de estabelecer um regime comunista no país
Por JULIAN BERTONE
26 de Septiembre de 2019
Actualizado: 26 de Septiembre de 2019

Um documento de 400 páginas que estava em posse de um comando intermediário do Sendero Luminoso revela os últimos planos do grupo terrorista.

A data-chave é do Bicentenário da Pátria em 2021 e o caminho é marcado por emboscadas, aniquilações e fortificações da aliança com o narcotráfico, para finalmente derrubar o governo de plantão.

O documento foi obtido durante uma operação das forças do Estado peruano no início de 2019, e a Diretoria de Luta contra o Terrorismo da Polícia Nacional do Peru (DIRCOTE) foi responsável por analisá-lo, conforme relatado pela emissora peruana América Noticias.

Para o funcionários do governo, o Sendero Luminoso busca aumentar sua participação no narcotráfico e intensificar o uso de táticas violentas, incluindo homicídios e emboscadas.

Membros armados da milícia local, chamados “Ronderos”, patrulham a selva em busca de guerrilheiros do Sendero Luminoso, perto da cidade de Llochegua, Ayacucho, Peru, em 26 de abril de 2009 (ERNESTO BENAVIDES / AFP / Getty Images)
Membros armados da milícia local, chamados “Ronderos”, patrulham a selva em busca de guerrilheiros do Sendero Luminoso, perto da cidade de Llochegua, Ayacucho, Peru, em 26 de abril de 2009 (ERNESTO BENAVIDES / AFP / Getty Images)

A partir do estudo das páginas capturadas, foram identificados objetivos imediatos relacionados ao aumento de ataques às forças públicas, objetivos de médio prazo que buscariam recuperar o controle das áreas onde o grupo tinha presença histórica e, a longo prazo, a intenção de golpe de Estado.

“Realize operações ofensivas, ataque rapidamente. Com uma bala, deixe-os fora de combate. Triture-os mais do que como fizeram com os camaradas Alipio, Gabriel e Alfonso”, pode ser lido no documento. Os três nomes mencionados pertencem a membros de alto nível abatidos do Partido Comunista do Peru – Sendero Luminoso (PCP-SL).

Oficiais de drogas esvaziam sacos de folhas secas de coca depois de encontrar um laboratório clandestino na floresta tropical do vale Apurimac, no sudeste do Peru, em 21 de agosto de 2010. Segundo as autoridades locais, a guerrilha do Sendero Luminoso começou a “ terras desapropriadas ”, principalmente na área conhecida como Vraem (vales dos rios Ene e Apurímac, dos departamentos de Ayacucho, Cusco, Junín e Huancavelica), para cultivar coca e depois produzir cocaína (CARLOS MANDUJANO / AFP / Getty Images)
Policiais esvaziam sacos de folhas secas de coca depois de encontrar um laboratório clandestino na floresta tropical do vale Apurimac, no sudeste do Peru, em 21 de agosto de 2010. Segundo as autoridades locais, a guerrilha do Sendero Luminoso começou a usar “ terras desapropriadas ”, principalmente na área conhecida como Vraem (vales dos rios Ene e Apurímac, dos departamentos de Ayacucho, Cusco, Junín e Huancavelica), para cultivar coca e depois produzir cocaína (CARLOS MANDUJANO / AFP / Getty Images)

O Estado peruano acredita que o grupo é financiado graças às suas ligações com o narcotráfico, onde presta principalmente serviços para proteger as remessas de cocaína a clãs de traficantes assentados no vale dos rios Aputímac, Ene e Manato, região conhecida como VRAEM.. Suspeita-se que ele também cobra taxas aos agricultores pela semeadura em territórios sob seus cuidados.

O grupo enfraquecido ainda está de pé e continua com ambições de estabelecer um regime comunista no país, no entanto especialistas e autoridades peruanas não o consideram uma ameaça real, uma vez que não ele não possui capacidade militar ou econômica para executar seus planos.

“Não considero que, nestes tempos, isso possa acontecer, temos feito um trabalho conjunto com todas as forças [armadas] e eu não acredito que uma organização como essa tenha capacidade para realizar essas ações armadas”, disse o general Vicente Tiburcio, chefe do DIRCOTE, à America Noticias. No entanto, ele alertou: “Não posso dizer que eles não são uma ameaça, eles persistem e existem em um espaço geográfico”.

Segundo a InSight Crime Foundation, embora o grupo comunista não represente uma ameaça significativa, isso não significa que o governo peruano possa superá-los em pouco tempo, já que o VRAEM ainda é um importante centro para a organização.

Origens marxistas, leninistas e maoístas

Procurando tomar o poder pela força, Abimael Guzmán fundou o Partido Comunista do Peru, conhecido como Sendero Luminoso, no início dos anos 80, inspirado no marxismo, leninismo e maoísmo.

“Guzmán considerou que a sociedade peruana era ‘semicolonial’ e que a solução era fazer uma luta armada junto com os camponeses para chegar ao poder”, disse Pedro Yarangaà DW, especialista peruano em terrorismo e tráfico de drogas.

Graças a uma crise econômica que atingiu o país andino na época e ao fraco desenvolvimento das áreas agrícolas, “Guzmán e seus seguidores foram aceitos como uma solução para os camponeses, que foram os que mais sofreram durante o conflito.

Os guerrilheiros que iniciaram o grupo em 1980 continuam até hoje, mas diminuíram e se refugiaram na selva após a captura de Guzman em 1992.

Abimael Guzmán, (enjaulado), líder supremo e fundador do grupo guerrilheiro maoísta Sendero Luminoso, está cercado em 3 de abril de 1993 perto de Lima por membros das forças especiais do Peru enquanto é transportado de barco de sua cela em uma ilha para uma prisão no continente. Guzman foi preso no final de 1992 e depois condenado à prisão perpétua depois que um tribunal militar o considerou culpado por liderar as atividades de guerrilha e terrorismo do Sendero Luminoso. O conflito de guerrilha causou a morte de mais de 30.000 pessoas e mais de 25.000 milhões de dólares em danos nos anos que se seguiram à tomada de armas pela primeira vez em 1980 (HECTOR MATA / AFP / Getty Images
Abimael Guzmán, (enjaulado), líder supremo e fundador do grupo guerrilheiro maoísta Sendero Luminoso, está cercado em 3 de abril de 1993 perto de Lima por membros das forças especiais do Peru enquanto é transportado de barco de sua cela em uma ilha para uma prisão no continente. Guzman foi preso no final de 1992 e depois condenado à prisão perpétua depois que um tribunal militar o considerou culpado por liderar as atividades de guerrilha e terrorismo do Sendero Luminoso. O conflito de guerrilha causou a morte de mais de 30.000 pessoas e mais de 25.000 milhões de dólares em danos nos anos que se seguiram à tomada de armas pela primeira vez em 1980 (HECTOR MATA / AFP / Getty Images)

Em um Relatório Final da Comissão da Verdade e Reconciliação (pdf), estimou-se que o grupo comunista armado foi responsável pela morte e desaparecimento de mais de 35.000 pessoas entre as décadas de 1980 e 1990, as mais sangrentas de sua história.

TE RECOMENDAMOS