Emissão de carteiras de trabalho a refugiados venezuelanos chega a quase 70% em 2018

Movimentação no mercado formal dos imigrantes no Brasil ocorreu principalmente nos setores de produção de bens e serviços industriais e serviços de vendedores do comércio em lojas e mercados
Por Bruna de Pieri, Terça Livre
23 de Agosto de 2019
Actualizado: 23 de Agosto de 2019

O ano de 2018 teve o maior número de carteiras de trabalho emitidas para refugiados. Ao todo, foram 36.384 CLTs. Do montante, quase 70% destinadas para imigrantes venezuelanos. Outras 19% para haitianos e 4,8% a cubanos.

Além de ser o maior registrado desde 2010, o número representa quase a metade do total de 76.878 carteiras emitidas entre 2010 e o ano passado. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (22) pelo Ministério de Justiça e Segurança Pública e faz parte do relatório anual do Observatório das Migrações Internacionais.

Conforme o levantamento, dos refugiados que estavam no mercado formal, mais de 90% tinham jornada de trabalho superior a 44 horas semanais. A média salarial dessa parcela de trabalhadores é de 1 salário mínimo e meio.

A pesquisa mostrou também que quase 50% dos trabalhadores imigrantes que foram registrados em 2018, tinham nível de ensino médio completo.

A movimentação no mercado formal dos imigrantes no Brasil ocorreu principalmente nos setores de produção de bens e serviços industriais e serviços de vendedores do comércio em lojas e mercados. Embora a maior parte das carteiras de trabalho tenham sido destinadas aos venezuelanos, os haitianos continuam a liderar o emprego formal entre os imigrantes do Brasil.

Eles estão no topo de admissões em 2018, com 27.200 contratações, seguidos de venezuelanos, paraguaios, argentinos e bolivianos. No entanto, de acordo com o MJSP há uma forte tendência de a população de venezuelanos superar os haitianos.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS