Erupção do supervulcão de Yellowstone pode devastar o mundo, diz artigo de opinião do NY Times

Por Jack Phillips, La Gran Época
24 de Agosto de 2019 Actualizado: 24 de Agosto de 2019

A erupção de um “supervulcão” localizado no Parque Nacional de Yellowstone devastaria o mundo inteiro, de acordo com um artigo de opinião publicado no New York Times em 21 de agosto.

Bryan Walsh, autor do livro “End Times”, escreveu que existem 20 supervulcões na Terra que representam a maior ameaça à vida humana.

O de Yellowstone, disse ele, entrou em erupção três vezes nos últimos 2,1 milhões de anos, e o último foi cerca de 640 mil anos atrás.

Ele teorizou o que aconteceria se a caldeira entrasse em erupção.

Pequeno grupo de búfalos de Yellowstone pasta no Parque Nacional de Yellowstone, no Wyoming, na tarde de 8 de outubro de 2012 (Karen Bleier / AFP / GettyImages)
Pequeno grupo de búfalos de Yellowstone pasta no Parque Nacional de Yellowstone, no Wyoming, na tarde de 8 de outubro de 2012 (Karen Bleier / AFP / GettyImages)

“Primeiro ocorreriam terremotos cada vez mais fortes, sinal de que o magma abaixo de Yellowstone está correndo para a superfície. Então o magma chegaria na superfície com uma erupção titânica, descarregando as entranhas tóxicas da terra no ar. Isso continuaria por dias, enterrando Yellowstone na lava em um raio de 64 quilômetros ”, disse Walsh no NY Times.

A “supererupção” enterraria Wyoming, Utah e Colorado sob vários metros de cinzas vulcânicas tóxicas. Provavelmente, as cinzas se espalhariam para o Centro-Oeste, disse ele.

“As colheitas seriam destruídas; os pastos seriam contaminados. Linhas de energia e transformadores elétricos seriam arruinados, o que poderia acabar com grande parte da rede de distribuição”, continuou Walsh.

Mas os efeitos seriam sentidos no mundo inteiro.

“Os modelos meteorológicos descobriram que os aerossóis liberados poderiam se espalhar globalmente se a erupção ocorresse durante o verão. No curto prazo, à medida que a nuvem tóxica bloqueasse a luz solar, as temperaturas médias globais cairiam significativamente e não voltariam ao normal por vários anos. As chuvas diminuiriam drasticamente”, disse ele.

Grande manancial prismático no Parque Nacional de Yellowstone. O parque está salpicado de gêiseres e fontes termais alimentadas por atividade vulcânica subterrânea (commons.wikimedia.org)
Grande manancial prismático no Parque Nacional de Yellowstone. O parque está salpicado de gêiseres e fontes termais alimentadas por atividade vulcânica subterrânea (commons.wikimedia.org)

Ele disse que o supervulcão e outros semelhantes representam uma “ultra-catástrofe” que levaria à extinção humana. Guerra biológica e asteroides são outros exemplos.

“Provavelmente nunca haverá um ano em que ninguém morra de acidentes de aviação, mas definitivamente nunca haverá um ano em que 10% da população mundial morra em um único acidente de avião”, escreveu Walsh, acrescentando que o governo deveria alocar recursos para programas de prevenção ao risco vulcânico.

Walsh encerrou o artigo dizendo que os seres humanos têm o poder de evitar tais desastres.

No entanto, “porque permanecemos confinados aos breves horizontes do tempo humano de nossa própria experiência, os tratamos como irreais. Ao fazê-lo, nos tornamos vulneráveis ao que não podemos imaginar”, afirmou.

Nova atividade térmica

Os cientistas disseram ter descoberto uma nova atividade termal no Parque Nacional de Yellowstone, no Wyoming, do tamanho de quatro campos de futebol.

Em entrevista à Wyoming Public Media em abril, o pesquisador do Serviço Geológico dos Estados Unidos, Greg Vaughan, disse que “a área costumava estar coberta de árvores e agora é uma área onde há muitas árvores mortas, solo brilhante e um ponto quente”.

Ele utiliza satélites para rastrear as áreas térmicas que medem o calor emitido pelo solo.

O ponto quente e corrosivo tem estado “escondido no parque nos últimos 20 anos”, disse ele ao New York Times.

Yellowstone (Parque Yellowstone)
Yellowstone (Parque Yellowstone)

“As áreas térmicas de Yellowstone são a expressão superficial do sistema magmático mais profundo, e estão sempre mudando. Elas ficam quentes, elas esfriam e podem se mover ”, disse o Observatório Vulcânico de Yellowstone, chamando a atenção para a erupção do Ear Spring em setembro de 2018 como uma“ nova característica térmica”.

“Esses tipos de mudanças fazem parte do ciclo de vida normal das áreas termais do Parque Nacional de Yellowstone”, acrescentou ele em um artigo publicado no início deste mês.

Mais de 10 mil elementos térmicos podem ser encontrados dentro do parque.

Michael Poland, pesquisador responsável pelo Observatório Vulcânico de Yellowstone, muitas vezes teve que desacreditar artigos que dizem que a caldeira de Yellowstone, ou “supervulcão”, está prestes a entrar em erupção. Ele disse ao jornal que o aparecimento de uma nova área termal não é motivo para preocupação, observando que as áreas termais aparecem e desaparecem constantemente no parque.

TE RECOMENDAMOS