Estreia nos EUA o filme ‘As Garras do Dragão Vermelho’ sobre a Huawei 

Por Marina Dalila
22 de Octubre de 2019
Actualizado: 22 de Octubre de 2019

O filme “Claws of the Red Dragon” (As Garras do Dragão Vermelho), do ex-estrategista-chefe destreou nos Estados Unidos no sábado, 19 de outubro, na One American Networks.

Lançado pela New Tang Dynasty Television (NTD) e estrelado por Dorren Lee, Taras Lavren e Eric Peterson, o filme de 54 minutos procura esclarecer a conexão entre a Huawei Technologies – a maior fabricante de equipamentos de telecomunicações do mundo – e o Partido Comunista que governa na China.

Bannon disse que o filme é para ajudar o cidadão comum a entender como o regime chinês usa a Huawei e a chamada iniciativa Strip and Road para expandir seu poder dominando a infraestrutura de outros países.

Leia também:

“Isso não vai ser uma guerra fria. Isso vai ser muito mais … você tem uma guerra de informação, uma guerra econômica, uma guerra conectada”, disse Bannon após a exibição privada do filme em Manhattan na noite de quinta-feira. Ele disse que a Huawei é uma peça chave no plano da China.

O filme chega depois que os Estados Unidos proibiram a Huawei de acessar a tecnologia americana em maio e acusaram a empresa de instalar “backdoors” em seus equipamentos para que a China pudesse espionar os Estados Unidos.

Brendan Carr, comissário da Federal Communications Commission (FCC), disse ao One American News no início da semana passada que a FCC está considerando ordenar que todas as empresas americanas removam os equipamentos da Huawei de seus sistemas.

Clara Del Villar, ex-vice-presidente da empresa de telecomunicações Nortel Networks, presente na projeção de quinta-feira, disse esperar que o próximo grande confronto do mundo ocorra na arena cibernética, e é por isso que a Huawei precisa ser monitorada.

“Normalmente eu não sou uma pessoa que coloca situações como essa no dia do julgamento final. Mas se olharmos para as próximas décadas, é provável que essa seja a característica que está por vir ”, disse ela à NTD.

Leia também:

Depois de testemunhar o crescimento da Huawei, que passou de uma empresa rudimentar para uma dominante, durante seu trabalho na indústria de telecomunicações, ele disse que as preocupações reveladas pelo filme são reais.

“Sua capacidade de realmente se tornar uma autoridade em tecnologia de telecomunicações a tornaria muito poderosa caso ocorram delitos na guerra cibernética nos próximos anos”, disse ela.

“Acho que Steve [Bannon] está absolutamente certo”, disse Gerald Brant à NTD, que também estava na exibição do filme. “Você certamente poderia correr o risco de uma distopia, no sentido orwelliano do termo como no romance ‘1984’, quando você tem tecnologias como essa 5G e inteligência artificial nas mãos de um governo totalitário”.

Leia também:

O equipamento Huawei é usado por 45 das 50 maiores empresas de telefonia do mundo, de acordo com um artigo da Associated Press.

Os Estados Unidos vêm alertando seus aliados e empresas para não usarem equipamentos da Huawei. No mês passado, a Itália aprovou medidas para permitir ao governo mais poder para supervisionar qualquer contrato de fornecimento de 5G que envolva fornecedores não europeus e influencie os acordos.

“O governo dos Estados Unidos está fazendo a coisa certa”, disse Brant, “e de fato, acho que o governo Trump merece muito crédito em termos de como está empregando esta pressão global sobre a Huawei”.

***

Assista também:

Reportagem Exclusiva:
Como a Huawei é usada como ferramenta de subversão

 

Reportagem Exclusiva: Como a Huawei é usada como ferramenta de subversãoSaiba mais: https://www.epochtimes.com.br/?s=HUAWEI

اس پر ‏‎Epoch Times Português‎‏ نے شائع کیا جمعرات، 16 مئی، 2019

 

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS