EUA dizem que continuarão apoiando Assembleia Nacional para restaurar democracia na Venezuela

Juan Guaidó, que foi reconhecido por quase 60 países como presidente encarregado, foi reeleito como presidente da Assembleia Nacional em uma sessão paralela e improvisada
Por Eduardo Tzompa, Epoch Times
06 de Enero de 2020
Actualizado: 06 de Enero de 2020

O representante especial para a Venezuela, Elliot Abrams, disse em entrevista coletiva nesta segunda-feira (6) que os Estados Unidos continuarão a apoiar a Assembleia Nacional da Venezuela, seu legítimo líder e os venezuelanos em sua luta para restaurar a democracia no país.

A autoridade americana parabenizou Juan Guaidó por sua reeleição como presidente da Assembleia Nacional com 100 votos dos 167 membros do Parlamento Legislativo e lembrou que os Estados Unidos estavam alertando sobre os esforços da ditadura de Maduro para roubar votos por meio de prisão e intimidação de mais de 30 deputados.

Abrams disse que a rude e corrupta campanha de Maduro fracassou, então ele ordenou que os soldados mantivessem os deputados da oposição do lado de fora da Assembleia Nacional, fazendo com que suas ações fossem condenadas e rejeitadas pela comunidade internacional.

Leia também:
Irã poderá usar Venezuela para vingar Soleimani e atacar EUA

Ao mesmo tempo, destacou as palavras do novo ministro das Relações Exteriores da Argentina, que declarou que “impedir por meio da força a entrada de legisladores é condenar-se ao isolamento internacional”, chamando as ações do regime chavista de inaceitáveis.

Abrams também reconheceu a posição do México, que através do Ministério das Relações Exteriores declarou que “o funcionamento legítimo do poder legislativo é um pilar inviolável das democracias”.

Por outro lado, ele ressaltou que o Brasil também não reconhece o resultado fraudulento das eleições, assim como o Grupo de Lima, que felicitou Guaidó por sua reeleição e condenou o uso da força e da intimidação contra os membros da Assembleia Nacional.

Abrams recordou as violações sistemáticas dos direitos humanos cometidas pelo regime ditatorial de Maduro e disse que os EUA continuam reconhecendo Guaidó como o legítimo presidente da Assembleia Nacional, que aplaudiu sua decisão “de liderar a vontade popular e continuar trabalhando para construir alianças internacionais”.

“Continuamos trabalhando com democracias ao redor do mundo para apoiar a democracia na Venezuela. Os Estados Unidos continuarão fazendo muito mais para apoiar a Assembleia Nacional por seu líder legítimo e pelo povo da Venezuela.”

Neste domingo, estava prevista a eleição da equipe diretiva do Congresso em uma votação na qual Guaidó esperava ser reeleito como presidente da Assembleia Nacional da Venezuela. No entanto, a Polícia Nacional Bolivariana (PNB) e a Guarda Nacional Bolivariana (GNB) impediram sua entrada e a de outros deputados da oposição que o acompanhavam.

Enquanto Guaidó e os outros funcionários estavam do lado de fora do Palácio Legislativo, os deputados chavistas da Assembleia Nacional elegeram Luis Parra como presidente da organização.

Juan Guaidó, que foi reconhecido por quase 60 países como presidente encarregado, foi reeleito como presidente da Assembleia Nacional em uma sessão paralela e improvisada na sede do jornal El Nacional, da qual nenhum deputado da banca de Maduro participou.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS