EUA dizem que supremacistas brancos estão aprendendo táticas de jihadistas

Por EFE
01 de Noviembre de 2019 9:28 PM Actualizado: 01 de Noviembre de 2019 9:28 PM

Washington, 1 nov – O governo dos Estados Unidos afirmou nesta sexta-feira que as organizações de supremacistas brancos estão aprendendo as táticas usadas por grupos jihadistas para se coordenar em nível global e obter financiamento, o que provocou um aumento do terrorismo baseado em motivos raciais e étnicos em todo o mundo.

“Os nacionalistas brancos se comunicam por meio de redes internacionais. Estão aprendendo com seus antecessores jihadistas em termos de se organizar globalmente e arrecadar fundos”, disse o coordenador da Luta Antiterrorista do Departamento de Estado dos EUA, Nathan Sales, em uma entrevista coletiva.

As conclusões constam em um relatório produzido anualmente pelo Departamento de Estado sobre a situação do terrorismo no mundo.

A “aprendizagem” dos supremacistas brancos foi uma das três tendências consideradas como mais significativas por Nathan em 2018, junto da queda do grupo jihadista Estado Islâmico e do suposto apoio do Irã a ações terroristas em outras partes do mundo.

“O mundo viu um aumento do terrorismo com base em motivos raciais ou étnicos”, disse Sales, citando o caso de um atirador que matou 11 pessoas em uma sinagoga da cidade de Pittsburgh, nos EUA.

Sales explicou que o Departamento de Estado não se dedica a combater grupos supremacistas branco dentro dos EUA por só ter autoridade para agir internacionalmente, mas destacou que o órgão está mobilizando os aliados dos EUA para encarar a ameaça, considerada por ele como global.

“Queremos estimular medidas internacionais para tomar ações decisivas contra esses grupos, que se nutrem de ideologias cheias de ódio, supremacistas e intolerantes”, destacou Sales.

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.