EUA enviarão 3 mil soldados ao Oriente Médio após morte de general do Irã

Por efe
03 de Enero de 2020
Actualizado: 03 de Enero de 2020

Washington, 3 jan – O governo dos Estados Unidos enviará milhares de soldados ao Oriente Médio após o ataque que matou o poderoso comandante da Força Quds da Guarda Revolucionária do Irã, Qasem Soleimani.

Segundo as emissoras “CNN” e “NBC”, que citam fontes do Departamento de Defesa dos EUA, o número de soldados que serão enviados à região ainda não foi definido, mas deve variar entre 3 mil e 3,5 mil.

A decisão, ainda não anunciada oficialmente, ocorre depois de o Irã ter prometido que vingará a morte de Soleimani e do vice-presidente das Forças de Mobilização Popular (PMF), Abu Mahdi al Muhandis, ambos vítimas de um ataque dos Estados Unidos perto do aeroporto internacional de Bagdá.

A Casa Branca já havia determinado o envio de 750 soldados ao Oriente Médio nesta semana. O reforço era uma resposta à invasão da embaixada americana na capital do Iraque por parte de integrantes do PMF, grupo aliado do Irã, um dos episódios do novo capítulo da crise entre os dois países.

Segundo o jornal “The Wall Street Journal”, o novo contingente americano deve ser enviado ao Oriente Médio ainda neste fim de semana.

O assassinato de Soleimani deixou aliados dos Estados Unidos na região em alerta, despertou temores de uma nova guerra no Oriente Médio e provocou alta nos preços dos barris de petróleo.

O Pentágono confirmou ontem à noite que era responsável pelo ataque com drones contra um comboio que levava Soleimani perto do aeroporto internacional de Bagdá.

O governo dos EUA justificou a ação alegando que o general iraniano tinha planos de atacar funcionários americanos no Iraque e em outros países da região.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS