Ex-militares denunciam presença das FARC com terroristas cubanos e islâmicos na Venezuela

Por JESÚS DE LEÓN
03 de Septiembre de 2019
Actualizado: 03 de Septiembre de 2019

Um documento assinado por mais de 250 membros da Frente Militar Institucional da Venezuela exigia que Juan Guaidó, a Assembléia Nacional e as forças armadas ativas, protegessem as fronteiras para impedir a intrusão de guerrilheiros e grupos terroristas.

A Frente Militar Institucional (FIM), presidida pelo vice-almirante Rafael Huizi Clavier, solicitou que denunciassem publicamente “as intenções criminais desses foras-da-lei” das FARC e as confrontassem.

“Eles lutam e acabam com os grupos armados do Exército de Libertação Nacional (ELN) e grupos terroristas islâmicos e de toda ordem, e que reforçam nossas fronteiras com instruções para evitar a presença e intrusão de guerrilheiros que tentarão ameaçar nossa segurança e vida”. A FIM solicitou-os em uma declaração publicada pela Infobae.

O pedido foi uma resposta deste grupo de soldados venezuelanos aposentados ao anúncio dos guerrilheiros marxistas de se lançaram em combate em aliança com as colunas do ELN.

No manifesto lido por Iván Márquez destaca-se:“A inclusão de setores territoriais de nosso país em sua área de atuação, a existência de claras indicações de apoio militar, moral e logístico, fornecidas por importantes elementos do governo usurpador”, acrescenta.

Presume-se que esse plano tenha sido preparado nas reuniões realizadas por ocasião do encontro do Fórum de São Paulo em Caracas, denunciou a Frente Institucional Militar.

Nicolás Maduro anunciou na cerimônia de encerramento do Fórum de São Paulo que os ex-líderes fugitivos das então desmobilizadas guerrilhas FARC eram bem-vindos na Venezuela sempre que quisessem.

“Iván Márquez e Jesús Santrich: sejam bem-vindos à Venezuela e ao Fórum de São Paulo, quando quiserem vir, são líderes da paz, e Timochenco e (Pablo) Catatumbo. As FARC são bem-vindas à Venezuela quando querem vir”, enfatizou Maduro.

Por outro lado, o ministro das Relações Exteriores da Colômbia, Carlos Holmes Trujillo, descreveu o novo grupo dissidente das FARC como um “grupo narcoterrorista protegido pela ditadura de (Nicolás) Maduro”, em entrevista à CNN.

Em outra ocasião, o chanceler insistiu que eles são mais do que protegidos do regime de Maduro, eles são aliados.

Seuxis Paucias Hernández, também conhecido como Jesús Santrich, e Luciano Marín Arango, também conhecido como Iván Márquez, são membros da fracassada negociação de paz que ocorreu em Cuba, com o desacreditado vencedor do Prêmio Nobel da Paz, Juan Manuel Santos, não apenas são protegidos por o empório de criminosos que vivem na Venezuela, mas são uma aliança importante”, afirmou ele, segundo o El Nacional.

Na mesma linha, o deputado venezuelano Gaby Arellano denunciou que as FARC e o ELN são para a Venezuela, como se fossem ministros, com escoltas, e que vivem lá.

Também foi confirmado pelo general Luis Fernando Navarro, comandante das forças militares da Colômbia, segundo o Los Informantes.

Chávez abriu as portas para esses grupos

A Venezuela se tornou o centro de operações das FARC da Colômbia exponencialmente desde que Hugo Chávez chegou ao poder em 1999.

Em 2008, Chávez anunciou que a Venezuela não limitaria mais o oeste ao governo colombiano, mas às FARC.

“As forças insurgentes da Colômbia têm outro Estado, que possui leis e que às aplicam. É uma realidade que não pode ser ignorada”, afirmou Chávez, conforme relatado pelo El Espectador da Colômbia, que acrescentou que essa afirmação procurava conceder status de beligerância às FARC e ao ELN.

Preocupação do governo dos Estados Unidos

O governo dos Estados Unidos manifestou preocupação com a ligação entre o regime de Nicolás Maduro, os grupos do Exército de Libertação Nacional (ELN) da Colômbia e o terrorista Hezbollah.

“Os Estados Unidos estão preocupados com a presença contínua de organizações terroristas estrangeiras na América Latina, incluindo o Exército de Libertação Nacional na Colômbia e na Venezuela ”, disse Robert Palladino, porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos em um vídeo do mês de dezembro de 2018.

Palladino enfatizou que o Departamento de Estado continua a “monitorar a Venezuela, assim como outros países, em atividades que indicam um padrão de apoio a atos de terrorismo internacional”.

Naquela data, Washington estava avaliando incluir a Venezuela na lista de países que patrocinam o terrorismo nos Estados Unidos.

A lista é reservada aos governos acusados ​​de “repetidamente apoiar atos de terrorismo internacional” e inclui apenas o Irã, Coreia do Norte, Sudão e Síria.

Parlamentares republicanos chefiados pelo senador norte-americano Marco Rubio promoveram a nomeação, citando os supostos vínculos do regime venezuelano com o Hezbollah libanês, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e outros grupos, informou o El Nuevo Herald.

Em abril deste ano, o senador solicitou novamente às Secretarias de Estado e do Tesouro que designassem o “regime” de Nicolás Maduro como uma “Organização Criminal Transnacional e o incluísse na lista de patrocinadores do” terrorismo”.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS