Ex-presidente do Superior Tribunal de Justiça é alvo de operação da Polícia Federal

Inquérito tem como base a delação premiada do ex-ministro petista Antonio Palocci
07 de Noviembre de 2019
Actualizado: 07 de Noviembre de 2019

Por Francine Marquez, Diário do Poder

Na manhã desta quinta-feira (7), agentes da Polícia Federal (PF) cumprem quatro mandados de busca e apreensão nas cidades de São Paulo e Fortaleza, no âmbito da Operação Appius. Entre os alvos está o ex-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Francisco Cesar Asfor Rocha e a empreiteira Camargo Côrrea.

Objetivo das investigações é apurar o pagamento de propina pela empreiteira para agentes políticos, com o objetivo de atrapalhar e suspender a Operação Castelo de Areia. Ação apura a prática dos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva, corrupção ativa e ocultação de ativos, envolvendo agentes públicos.

O inquérito tem como base a delação premiada do ex-ministro dos Governos de Lula e Dilma Rousseff, Antonio Palocci.

Leia também:
Dilma vira alvo da PF em caso de propina de R$ 40 milhões para a reeleição

Na delação, o petista afirmou que Rocha recebeu da Camargo Corrêa a quantia de R$ 5 milhões para suspender a Castelo de Areia. E contou que a empreiteira realizou a doação de R$ 500 milhões para campanhas eleitorais do PT em 2010, entre elas a da ex-presidente Dilma Rousseff, “com objetivo de obter auxílio do Governo Federal na anulação da Operação Castelo de Areia junto ao Superior Tribunal de Justiça”.

Operação Castelo de Areia

Em 2009, a Polícia Federal deflagrou a Operação Castelo de Areia para apurar crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e fraude à licitação, poe meio da empreiteira Camargo Corrêa.

Entretanto, a Castelo de Areia foi suspensa em 2010 pelo ex-ministro do STJ, Francisco Cesar Asfor Rocha que suspendeu tanto as investigações como os processos criminais.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS