Foto chocante captura ossos da pélvis da mãe se abrindo durante parto

Por MARIANA BUENDIA
07 de Octubre de 2019
Actualizado: 07 de Octubre de 2019

Uma foto impressionante de uma mulher durante o parto capturou exatamente o momento em que os ossos da pélvis se abriram para permitir o nascimento do bebê.

A foto foi compartilhada no Instagram pela North Dallas Doulas Associates e imediatamente chamou a atenção nas redes sociais. A imagem marcante mostra uma mãe durante o processo de trabalho de parto, inclinando-se e virando-se para a frente enquanto seu corpo está preparado anatomicamente para que seu filho possa nascer. O aspecto distintivo do momento é que você pode ver facilmente um nódulo na região lombar da mãe.

Esse nódulo é corretamente chamado de losango ou quadrilateral de Michaelis, que é um osso que durante a segunda fase do trabalho de parto se encaixa perfeitamente, recuando e abrindo a pelve para um diâmetro maior que permite que o bebê saia adequadamente do corpo, informou BebeYmás.

A imagem viral foi acompanhada por uma explicação detalhada que a Dra. Sarah Wickham fez sobre esse evento que é vivenciado por muitas mulheres:

View this post on Instagram

Our bodies are AMAZING!!! I love witnessing its majesty! This second time mom had a precipitous/rapid birth and used chiropractic care throughout her pregnancy & postpartum @cafeoflifedallas “The rhombus of Michaelis (sometimes called the quadrilateral of Michaelis) is a kite-shaped area that includes the three lower lumber vertebrae, the sacrum and that long ligament which reaches down from the base of the scull to the sacrum. This wedge-shaped area of bone moves backwards during the second stage of labour and as it moves back it pushes the wings of the ilea out, increasing the diameters of the pelvis. We know it’s happening when the woman’s hands reach upwards (to find something to hold onto, her head goes back and her back arches. It’s what Sheila Kitzinger (1993) was talking about when she recorded Jamaican midwives saying the baby will not be born ‘till the woman opens her back’. I’m sure that is what they mean by the ‘opening of the back’. “The reason that the woman’s arms go up is to find something to hold onto as her pelvis is going to become destabilised. This happens as part of physiological second stage; it’s an integral part of an active normal birth. If you’re going to have a normal birth you need to allow the rhombus of Michaelis to move backwards to give the baby the maximum amount of space to turn his shoulders in. Although the rhombus appears high in the pelvis and the lower lumbar spine when it moves backwards, it has the effect of opening the outlet as well. “When women are leaning forward, upright, or on their hands and knees, you will see a lump appear on their back, at and below waist level. It’s much higher up than you might think; you don’t look for it near her buttocks, you look for it near her waist. (Text credit @Dr Sarah Wickham) 📸 North Dallas Doula Associates #chiropractor #chiropracticadjustment #chiropractic #bestdoulasindallas #northdallasdoulas #ndda #childbirth #unmedicated #naturalbirth #birth @TLC @Discovery @taprootdoula @birthwithoutfear

A post shared by North Dallas Doula Associates (@northdallasdoulas) on

“O losango de Michaelis (às vezes chamado de quadrilátero de Michaelis) é uma área em forma de cometa que inclui as três vértebras lombares inferiores, o sacro e o ligamento longo que vai da base do crânio ao sacro. Essa área óssea em forma de cunha se move para trás durante o segundo estágio do trabalho de parto e, à medida que se move para trás, empurra as asas do ílio para fora, aumentando os diâmetros da pelve.”

No entanto, a imagem e as informações em si surpreenderam muitas mulheres que, apesar de terem vivenciado aquele momento, não estavam claras sobre o que realmente estava acontecendo em seu corpo.

Wickham acrescentou: “É disso que Sheila Kitzinger (1993) estava falando quando gravou parteiras jamaicanas dizendo que o bebê não nascerá ‘até que a mulher abra as costas’. Tenho certeza de que é isso o que elas queriam dizer com ‘abertura das costas’. ”


Imagem ilustrativa (PIxabay / WenPhotos)

A publicação feita no Facebook pela Tangi Birth Services obteve mais 51.000 ações e mais de 22.000 comentários. Muitas mulheres queriam compartilhar suas experiências e opiniões sobre o assunto.

Uma delas escreveu: “Eu dei à luz no meu quarto sozinha e é exatamente a posição em que meu corpo se estabeleceu para o parto. Incrível. Nossos corpos são realmente poderosos. ”

Conforme relatado pelo The Sun, mais uma usuária disse: “Meu marido me contou sobre isso! Eu dei à luz de joelhos e ele disse que a base das minhas costas se abriu para fora. Fascinante ver uma foto disso, obrigada. E ai! Não é à toa que senti muito incômodo nas minhas costas! Eu logo me virei.

A gravidez de uma mulher deve durar 9 meses, culminando no maravilhoso momento do parto. No entanto, nem todo momento antes de receber o novo membro da família é tão agradável. Mesmo em algumas situações, as mães sentem dores únicas que, ao trazer um novo ser humano ao mundo, alguém pode resistir.

A natureza não se engana, a flexibilidade e a anatomia perfeita do corpo da mulher tornam possível o milagre da vida.

Outra foto impressionante no momento do parto

Mais uma imagem que viralizou foi a de uma mãe contraindo-se durante o parto. O momento foi capturado pelo fotógrafo americano Meredith Westin Gather Birth.

A imagem foi publicada originalmente em sua conta no Instagram e, com ela, ele conseguiu capturar um dos momentos mais dolorosos do parto, mostrando a força da mãe enquanto a barriga estava deformada devido à contração.

View this post on Instagram

Look at this birthing body at work. A good doula knows how to help birth keep moving (like suggesting the always amazing toilet position), but also knows when to stand back, let you get in the zone and rock your birth. The hardest part of birth can be getting out of our body’s way. The strength in this photo is physical and mental. It’s immeasurable. A doula is there to help remind you of your strength when it feels impossible. We know you can do it. You are doing it.⠀ ⠀ Photography and Doula from Gather Birth Cooperative | Minneapolis, St. Paul Birth Photography + Doula + Postpartum Sessions + Film + more⠀ ⠀ @gatherbirth | gatherbirth.com⠀ ⠀ [image description: A woman sits on a toilet, her pregnant belly bulging with a contraction. Another woman, a doula, sits across from her rubbing her legs.]⠀ ⁠⠀ #minnesotaborn ⠀ #birthwithconfidence #birthwithoutfear #empoweredbirthproject #empoweredbirth #positivebirth #birthbecomesher #birthundisturbed #strongasamother ⠀ #birthphotographer #mnphotographer #doula #birthdoula #mamahood #motherhoodrising #tribedemama #motherhoodintheraw

A post shared by Gather Birth Cooperative (@gatherbirth) on

“A força nesta foto é física e mental. É imensurável. Uma assistente está lá para ajudá-la a se lembrar de sua força quando parece impossível. Nós sabemos que você pode fazer isso. Você está fazendo isso”, escreveu Meredith Westin como o texto da foto.

As contrações que ocorrem antes do nascimento do bebê podem ser poderosas, como raios de dor que atravessam o corpo. As primeiras geralmente não são dolorosas. Elas são perceptíveis e perturbadoras, como aquelas que ocorrem irregularmente nas semanas antes do nascimento. De fato, existem mulheres que não identificaram essas primeiras contrações do parto, como podem ser visto no site da Natalben. Mas depois as contrações podem ser consideradas mais irritantes e dolorosas.

A dor é percebida em 90% dos casos no abdome inferior e em 10% dos partos na região lombar (o chamado parto renal, uma vez que os rins estão localizados acima).

Às vezes a dor se espalha para as coxas.

View this post on Instagram

Birth feels BIG. Big in so many ways, but we especially focus on all of the physical aspects we need to prepare for or endure.⠀ .⠀ Our bodies are made to birth. It’s a hormonal process that most of the time will work as designed, if we can just stay out of the way. .⠀ Birth is mental. How do we continuously convince ourselves we are up for the challenge? How do we tell our mind to stay out of our body’s way and let it do the work? How do we tell ourselves to keep going when we want to give up?⠀ .⠀ Preparing our mind and spirit for birth is just as important as preparing ourselves physically. We need to be confident in what we want to achieve, because we will waver, lose hope and feel like we may not be up to the challenge. Tell that voice to eff off.⠀ .⠀ What did you say to yourself to keep going during birth? What did someone say to you that helped you keep pushing?⠀ .⠀ 📷@meredithwestinphotography⠀ .⠀ .⠀ .⠀ .⠀ #birthwithlove #minnesotaborn #birthofamama⠀ @birthbecomesher @birthwithoutfear ⠀ .⠀ #childbirth #birthwithconfidence #birth #birthwithoutfear #empoweredbirthproject #empoweredbirth #positivebirth #birthbecomesher #birthundistrubed #childbirth #normalizebirth #birthmatters #peaceonearthbeginswithpeacefulbirth #birthcenter #carriagehousebirth #motherhooduncensored #strongasamother ⠀ #birthphotographer #birthphotography #birthphotos #mnbirthphotographer #doula #birthdoula #mamahood #motherhoodrising #tribedemama #motherhoodintheraw

A post shared by Gina Dolski | The Sown Seed (@thesownseed) on

“Preparar nossa mente e espírito para o nascimento é tão importante quanto nos preparar fisicamente. Precisamos ter confiança no que queremos alcançar, porque hesitaremos, perderemos a esperança e sentiremos que não estamos à altura do desafio. Diga a essa voz para calar a boca”, escreveu uma mulher ao lado de outra foto de nascimento de sua assistente Gina Dolski.

*****

Assista também:

Precioso momento em que bebê ouve os pais pela primeira vez

Emocionante momento em que bebê ouve os pais pela primeira vez

Emocionante momento em que bebê ouve os pais pela primeira vez.Crédito: Newsflare

تم النشر بواسطة ‏‎Epoch Times – Sublime‎‏ في الجمعة، ٤ أكتوبر ٢٠١٩

 

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS