Hackers podem acessar câmeras de telefones Android para espionar usuários, diz pesquisa

"Recomendamos que todos os usuários mantenham seus dispositivos atualizados com o software mais recente para garantir o mais alto nível de proteção possível"
27 de Noviembre de 2019
Actualizado: 27 de Noviembre de 2019

Por Eduardo Tzompa, Epoch Times

Uma investigação descobriu vulnerabilidades em dispositivos Android que permitem hackear aplicativos que usam a câmera do telefone celular, permitindo o acesso a informações pessoais dos usuários, especialmente daqueles que usam telefones Google e Samsung.

Um invasor pode assumir o controle da câmera do dispositivo inteligente para tirar fotos, gravar vídeos, espionar conversas remotamente e gravá-las, identificar sua localização e muito mais.

A empresa de segurança Checkmarx encontrou várias vulnerabilidades em aplicativos que controlam essas câmeras, colocando em risco a privacidade de milhões de usuários. Os pesquisadores usaram smartphones do Google e outros dispositivos com o sistema operacional Android para tentar intervir nos aplicativos que têm acesso à câmera e finalmente encontraram irregularidades derivadas de problemas de emissão nas licenças, que servem como portas de acesso aos dispositivos.

Leia também:
Ministro anuncia criação de 8 laboratórios de inteligência artificial

Tela de um smartphone mostra aplicativos como Facebook, Instagram, Twitter e outras redes sociais, em Nova Délhi, em 22 de março de 2018 (CHANDAN KHANNA / AFP / Getty Images)
Tela de um smartphone mostra aplicativos como Facebook, Instagram, Twitter e outras redes sociais, em Nova Délhi, em 22 de março de 2018 (CHANDAN KHANNA / AFP / Getty Images)

A análise também diz que certos softwares maliciosos podem burlar as políticas de permissões para acessar fotos e vídeos; eles podem até tirar uma foto para localizar o usuário usando GPS. Especialistas dizem que a privacidade do usuário é exposta mesmo quando os telefones estão bloqueados, desligados ou durante uma ligação.

Sabe-se que a maioria dos aplicativos pedem acesso ao armazenamento interno do telefone, incluindo o cartão SD, no entanto, nem todos o usam. Isso significa que um aplicativo mal-intencionado pode tirar fotos e vídeos sem permissão para usar a câmera e apenas com permissões de armazenamento interno. Os pesquisadores dizem que, por exemplo, o vídeo pode ser ativado durante uma chamada de voz, permitindo que hackers gravem conversas.

A Checkmarx notificou as irregularidades encontradas para o Google e a gigante da tecnologia respondeu: “Agradecemos que a Checkmarx tenha nos informado e que trabalhe com parceiros do Google e Android para coordenar a divulgação. O problema foi resolvido nos dispositivos afetados do Google por meio de uma atualização na Play Store do aplicativo de câmera do Google em julho de 2019.”

Funcionário do Google segura o novo smartphone Pixel 2 e a câmera sem fio do Google Clips em um evento de lançamento do produto no SFJAZZ Center em San Francisco, Califórnia (ELIJAH NOUVELAGE / AFP via Getty Images)
Funcionário do Google segura o novo smartphone Pixel 2 e a câmera sem fio do Google Clips em um evento de lançamento do produto no SFJAZZ Center em San Francisco, Califórnia (ELIJAH NOUVELAGE / AFP via Getty Images)

Por seu lado, a Samsung disse à CNN que a empresa está preocupada em fazer atualizações desde que a Checkmarx relatou o problema.

“Recomendamos que todos os usuários mantenham seus dispositivos atualizados com o software mais recente para garantir o mais alto nível de proteção possível”, disse o porta-voz da Samsung.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS