Huawei pode estar espionando rede de nuvem

A capacidade da Huawei de coletar dados de inteligência e propriedade intelectual agora se estende à sua rede de nuvem na América Latina e está chegando aos EUA
Por JAMES GORRIE
09 de Septiembre de 2019
Actualizado: 09 de Septiembre de 2019

Enquanto o governo dos Estados Unidos tenta desvincular sua dependência de equipamentos da rede da Huawei, as dimensões da ameaça da Huawei para a inteligência dos Estados Unidos e tecnologia IP continua a crescer. De fato, de acordo com Gary Frost, ex-diretor técnico da NexGenEx Telecom Equipment e atual CTO / sócio-gerente da FastPath NexGenEx Global Networks, o risco aumentou em um nível totalmente novo, o que pode muito bem lançar um grande desafio para política anti-Huawei dos Estados Unidos.

A grande jogada da China na América Latina

Na semana passada, na Cúpula em Santiago, Chile, foi iniciado o programa Huawei Cloud Partner Network (HCPN). Esse empreendimento mais recente do maior provedor de telecomunicações e infraestrutura da China já possui 36 parceiros de nuvem certificados pela Huawei em toda a sua rede latino-americana. Mais importante, o HCPN fornecerá a seus parceiros uma variedade de suporte de entrada no mercado, incluindo serviços de negócios, técnicos e de marketing, tudo via Huawei Cloud.

E aí reside o maior risco de todos – pelo menos dos que sabemos.

O potencial para roubo de propriedade intelectual e coleta de inteligência na nuvem é impressionante. Todas as empresas, organizações ou instituições governamentais que usam a Huawei Cloud ficarão imediatamente vulneráveis ​​a intrusões e exfiltração de dados pelos mesmos serviços em nuvem em que eles confiam para funcionar e armazenar seu trabalho. É uma oportunidade extraordinária para o regime chinês obter um nível de intrusão e acesso a dados com os quais eles só poderiam sonhar alguns anos atrás.

Os detalhes técnicos podem ser um pouco complicados, mas essencialmente, a memória segura na nuvem da Huawei não está presente ou implementada; ou simplesmente pode não ser uma opção para a maioria dos usuários do sistema em nuvem. Isso incluiria usuários do Huawei Cloud.

Entretanto, esse pode não ser sempre o caso dos usuários da nuvem de nível corporativo. Algumas das maiores empresas do mundo – como a IBM, por exemplo – terão recursos tecnológicos e financeiros para proteger seus dados e operações baseados em nuvem, provavelmente em seu próprio ambiente de nuvem proprietário. Porém, para a maioria das empresas e organizações menores, especialmente as da nuvem da Huawei, operar nelas traz riscos consideráveis ​​de segurança.

Isso potencialmente proporciona aos operadores da Huawei da China muito mais alcance em todas as instituições que usam seus serviços em nuvem. O processo pode ser relativamente simples, disse Frost, como manutenção de rotina. Por exemplo, “Huawei ou um contratado conectado, poderia simplesmente instalar ‘atualizações de serviços’ em equipamentos interconectados e ter acesso a uma variedade de infraestrutura de seus usuários”.

Empresas de tecnologia americanas em risco

Além disso, empresas como Amazon, Microsoft, IBM e Google estão vinculando a nuvem em seus serviços e – dado seu nível de investimento na China – elas podem muito bem se tornar vulneráveis, mais cedo ou mais tarde, aos riscos da rede em nuvem da Huawei. O grau de risco é desconhecido em muitos casos, mas a interconexão de serviços em nuvem e a abertura de portas à espionagem pelo regime chinês via Huawei são certamente reais.

Por exemplo, como a China exige joint ventures para todo investimento estrangeiro, pode-se pensar razoavelmente que acordos de interconexão em nuvem o Google e o Facebook fizeram em seu projeto de fibra de US$ 400 milhões de Hong Kong a Los Angeles. Mais precisamente, considerando que essas empresas se inclinam continuamente para ajudar a China em seus esforços de censura em troca da operação no local, talvez o maior risco seja a cooperação com a China no compartilhamento de dados de usuários e outras informações confidenciais.

Posicionamento estratégico da Huawei

E, de uma perspectiva geopolítica, o novo programa de parceria em nuvem dá à Huawei – e, portanto, à China – outra pegada crítica na América Latina e, por extensão, nos Estados Unidos. Isso ocorre simplesmente porque as interconexões em nuvem na América do Sul são um ponto de entrada importante da infraestrutura dos Estados Unidos.

E, é claro, a tecnologia digital não precisa penetrar no território americano para acessar redes em nuvem americanas sensíveis. As presenças comerciais e militares da América são globais e certamente abrangem a América Latina. Além disso, as operações em nuvem da Huawei se estendem muito além da América Latina.

Isso dá à China uma vantagem significativa no aprofundamento de suas relações econômicas com os interesses políticos e comerciais da região, além de outros. De fato, em junho de 2019, a Huawei Cloud e seus parceiros abriram 23 regiões com um total de 44 zonas de disponibilidade e lançaram mais de 180 serviços e soluções em nuvem. Claramente, a parceria em nuvem da Huawei representa muitas oportunidades para o maior ativo de inteligência e ataque cibernético da China.

Desafio para a América

Qual é a melhor resposta da América à ofensiva de nuvem da Huawei na China? No curto prazo, pode não haver uma solução fácil ou rápida, pois a Huawei pode afetar o equipamento ou as atualizações existentes nesse período intermediário. Danos a violações de dados, roubo, sabotagem e outros atos clandestinos podem ser realizados pela rede, disfarçados por atualizações automáticas, assim como um aplicativo se atualiza automaticamente em um smartphone.

Assim como oficiais dos Estados Unidos e pequenas empresas de telecomunicações rurais estão descobrindo, é mais fácil anunciar uma mudança na política do que se divorciar de laços tecnológicos, financeiros e da cadeia de suprimentos. Esta é a verdade, na melhor das hipóteses.

James Gorrie é um escritor baseado no Texas. Ele é o autor de “The China Crisis”.

As opiniões expressas neste artigo são de opinião do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS