Inflação na Venezuela sobe para 35,8% no mês de novembro

Por efe
09 de Diciembre de 2019 3:29 PM Actualizado: 09 de Diciembre de 2019 3:29 PM

Caracas, 9 dez – A inflação na Venezuela aumentou no mês de novembro para 35,8%, quase o dobro do registrado em outubro, quando foram registrados 20,7%, lembrando aos venezuelanos que o país está longe de superar a crise econômica, de acordo com a divulgação feita nesta segunda-feira pelo Parlamento – com maioria da oposição -.

O deputado Angel Alvarado, membro da Comissão Legislativa de Finanças, disse a jornalistas que o aumento do índice era esperado, uma vez que “normalmente ocorre no último trimestre” de cada ano na Venezuela devido ao aumento do consumo.

Com esse número, a inflação acumulada – durante todo o ano – subiu para 5.515,6%, enquanto a inflação anualizada – novembro de 2018 a novembro de 2019 – foi de 13.475,8%.

Alvarado explicou que essa queda na inflação é causada pela política do governo de Nicolás Maduro de aumentar a reserva legal nas entidades bancárias.

Mas essa decisão, explicou, restringiu o crédito e aprofundou a desaceleração econômica, que até o mês passado perdeu 43% de seu volume em geral.

Por seu lado, o setor mais dependente de empréstimos (o não-petróleo) caiu este ano (78%).

Os itens de educação, eletrodomésticos, roupas e calçados tiveram os maiores aumentos no mês passado, com 102,3%, 58,1% e 54,6%, respectivamente.

Em janeiro de 2017, a Comissão de Finanças do Parlamento venezuelano começou a oferecer um índice de preços ao consumidor, pois o Banco Central (BCV) não publicou a inflação e outros indicadores há mais de um ano.

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.