Líder de Hong Kong, Carrie Lam, se compromete a trabalhar em estreita colaboração com novo enviado da China

"Tenho certeza de que podemos trabalhar juntos em estrita conformidade com a implementação de 'um país, dois sistemas'"
Por Frank Fang, Epoch Times
07 de Enero de 2020
Actualizado: 07 de Enero de 2020

Em sua primeira entrevista coletiva semanal de Ano Novo, a líder de Hong Kong, Carrie Lam, foi concisa em relação ao seu futuro relacionamento com o recém-nomeado chefe da agência de representação de Pequim na cidade.

“Não pude comentar em particular a mudança de pessoal na agência do governo popular central de Hong Kong. Emiti um comunicado de imprensa para saudar a nomeação do diretor Luo”, disse Lam em 7 de janeiro.

Há três dias, em 4 de janeiro, Luo Huining, de 65 anos, ex-secretário do Partido na província de Shanxi, no norte da China, foi nomeado como o novo chefe do Escritório de Ligação de Hong Kong, substituindo Wang Zhimin.

Leia também:
Mais de um milhão de pessoas de Hong Kong comemoram o Ano Novo saindo às ruas para renovar suas demandas

Lam emitiu sua declaração em 4 de janeiro dando as boas-vindas a Luo e agradecendo a Wang. Ela disse que teve “boas trocas” com Luo sobre “cooperação entre Shanxi e Hong Kong” quando se conheceram em 2018.

De acordo com a mídia estatal chinesa, Luo visitou Hong Kong em dezembro de 2018 para atrair investimentos comerciais para Shanxi. Ele também visitou a Bolsa de Valores de Hong Kong para discutir como ajudar as empresas chinesas na província a serem cotadas na bolsa.

Em 6 de janeiro, Luo se reuniu com a imprensa no Gabinete de Ligação para fazer um pronunciamento de três minutos, mas não respondeu a nenhuma pergunta.

No dia 7 de janeiro pela manhã, Tanya Chan, organizadora do campo pró-democracia, disse à mídia local RTHK que ela recebeu com satisfação o tom cauteloso de Luo ontem.

Lam acrescentou que ela e Luo se encontrarão no final desta semana: “Tenho certeza de que podemos trabalhar juntos em estrita conformidade com a implementação de ‘um país, dois sistemas’ e a lei básica para garantir a estabilidade contínua de Hong Kong, especialmente depois dos sete meses de agitação social que causaram grande preocupação à sociedade.”

Em Hong Kong, o que começou como um protesto contra um controverso projeto de lei de extradição tornou-se um apelo a uma maior democracia, assim como uma demanda dirigida ao governo da cidade para que se estabeleça uma investigação independente sobre os casos de violência policial contra manifestantes.

Em 1º de janeiro deste ano, mais de um milhão de pessoas marcharam no centro de Hong Kong para renovar suas demandas, em um evento organizado pelo grupo pró-democracia local chamado Frente Civil dos Direitos Humanos (CHRF, na sigla em inglês).

Durante a conferência de imprensa, Lam criticou alguns “encrenqueiros” que usaram tinta spray para escrever os nomes dos juízes nas paredes da Suprema Corte da cidade no Almirantado em 1º de janeiro. Ela não comentou as demandas expressas pelos participantes da marcha.

Segundo a mídia de Hong Kong, palavras como “o estado de direito está morto” foram pintadas com spray nas paredes da Suprema Corte.

A polícia de Hong Kong prendeu mais de 6.000 pessoas desde junho. Recentemente, em 5 de janeiro, depois que 10 mil pessoas participaram de uma marcha pacífica em Sheung Shui, cidade fronteiriça, o organizador da marcha disse que 42 pessoas foram presas.

Vírus desconhecido no continente

Também durante a conferência de imprensa, Lam disse que o governo da cidade tomou medidas mais rígidas, incluindo uma melhor vigilância nos postos de controle de imigração, para impedir a propagação de uma forma não identificada de pneumonia que envolveu Wuhan, uma cidade na província de Hubei, na China central.

O primeiro caso foi descoberto em Wuhan em 12 de dezembro, e a comissão local de saúde confirmou desde então 59 casos do vírus desconhecido.

Em Hong Kong, a autoridade hospitalar da cidade declarou que até ontem havia 21 casos de pacientes com sintomas de infecção respiratória ou pneumonia. Alguns dos pacientes estavam em Wuhan há algum tempo durante os últimos 14 dias.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

TE RECOMENDAMOS